Navegue pela Home do seu time
Round one, fight!

Round one, fight!

Na noite dessa quinta-feira 28 de abril, no Auditorium Theatre em Chicago, aconteceu a primeira rodada de escolhas do Draft 2016. E com ela a esperança renovada dos times da NFL em contratar jovens promessas do College Football para reforçarem o seus elencos.

Como uma maneira de equilibrar o roaster (jogadores à disposição) dos times, a regra é que as franquias com pior desempenho escolhem primeiro, os melhores jogadores. Porém os times são livres para se articularem nos bastidores e trocarem suas posições para o melhor de cada time.

Esse ano o New England Patriots perdeu o direito de fazer uma escolha na primeira rodada em razão de uma punição do caso Deflategate, onde os Patriots foram julgados e culpados de murcharem as bolas em um jogo de pós-temporada contra o Indianapolis Colts na temporada 2014-15. Essa punição de não fazer uma escolha na primeira rodada não foi a única, os Patriots também irão pagar uma multa de U$1.000.000 (um milhão de dólares) e Tom Brady sua principal estrela ficará fora dos 4 primeiros jogos da temporada. Brady ano passado também foi impedido de jogas as 4 primeiras partidas, porém uma ação judicial dos Patriots revogaram essa decisão e o astro participou das partidas, porém esse ano parece que não vai ter saída.

1 - Los Angeles Rams (lugar dos Titans) - Jared Goff - Posição Quarterback – Altura 1.95m - Peso 97,5kg  – Universidade California

2 - Philadelphia Eagles (lugar dos Browns) - Carson Wentz - Posição Quarterback - Altura 1,98m - Peso 107,5kg  – Universidade North Dakota St.

3 - San Diego Chargers - Joey Bosa - Posição Defensive end - Altura 1,98m - Peso 122,0kg  – Universidade Ohio St.

4 - Dallas Cowboys - Ezekiel Elliott - Posição Running back - Altura 1,82m - Peso 102,0kg  – Universidade Ohio St.

5 - Jacksonville Jaguars - Jalen Ramsey - Posição Cornerback - Altura 1,85m - Peso 94,8kg  – Universidade Florida St.

6 -  Baltimore Ravens - Ronnie Stanley - Posição Offensive tackle - Altura 2,01m - Peso 141,5kg  – Universidade Notre Dame

7 - San Francisco 49ers - DeForest Buckner - Posição Defensive end - Altura 2,04m - Peso 131,9kg  – Universidade Oregon

8 - Tennessee Titans (lugar dos Browns através de Eagles e Dolphins) - Jack Conklin - Posição Offensive tackle - Altura 2,01m - Peso 139,7kg  – Universidade Michigan St.

9 - Chicago Bears (lugar dos Buccaneers) - Leonard Floyd - Posição Outside linebacker - Altura 2,01m - Peso 110,6kg  – Universidade Georgia

10 - New York Giants - Eli Apple - Posição Cornerback - Altura 1,85m - Peso 90,2kg  – Universidade Ohio St.

11 - Tampa Bay Buccaneers(lugar dos Bears) - Vernon Hargreaves - Posição Cornerback - Altura 1,55m - Peso 92,5kg  – Universidade Florida

12 -  New Orleans Saints - Sheldon Rankins - Posição Defensive tackle - Altura 1,85m - Peso 135,6kg  – Universidade Louisville

13 -  Miami Dolphins (lugar dos Eagles) - Laremy Tunsil - Posição Offensive tackle - Altura 1,98m - Peso 140,6kg  – Universidade Mississippi

14 - Oakland Raiders -  Karl Joseph - Posição Safety - Altura 1,55m - Peso 92,9kg  – Universidade West Virginia

15 - Cleveland Browns (lugar dos Titans através do Rams) - Corey Coleman - Posição Wide receiver - Altura 1,55m - Peso 88,0kg  – Universidade Baylor

16 - Detroit Lions - Taylor Decker - Posição Offensive tackle - Altura 2,04m - Peso 140,6kg  – Universidade Ohio St.

17 - Atlanta Falcons (lugar dos Chargers) - Keanu Neal - Posição Strong Safety - Altura 1,82m - Peso 95,7kg  – Universidade Florida

18 - Indianapolis Colts - Ryan Kelly - Posição Center - Altura 1,95m - Peso 141,0kg  – Universidade Alabama

19 - Buffalo Bills - Shaq Lawson - Posição Defensive end - Altura 1,92m - Peso 122,0kg  – Universidade Clemson

20 - New York Jets - Darron Lee - Posição Outside linebacker - Altura 1,85m - Peso 105,2kg  – Universidade Ohio St.

21 - Houston Texans (lugar dos Redskins) - Will Fuller - Posição Wide receiver - Altura 1,82m - Peso 84,3kg  – Universidade Notre Dame

22 - Washington Redskins (lugar dos Texans) - Josh Doctson - Posição Wide receiver - Altura 1,88m - Peso 91,6kg  – Universidade TCU

23 - Minnessota Vikings (lugar dos Lions) - Laquon Treadwell - Posição Wide receiver - Altura 1,88m - Peso 100,2kg  – Universidade Mississippi

24 - Cincinnati Bengals - William Jackson III - Posição Cornerback - Altura 1,82m - Peso 85,7kg  – Universidade Houston

25 - Pittsburgh Steelers - Artie Burns - Posição Cornerback - Altura 1,82m - Peso 87,5kg  – Universidade Miami

26 - Denver Broncos (lugar dos Seahawks) - Paxton Lynch - Posição Quarterback - Altura 2,04m - Peso 110,6kg  – Universidade Memphis

27 - Green Bay Packers - Kenny Clark - Posição Defensive tackle - Altura 1,92m - Peso 142,4kg  – Universidade UCLA

28 - San Francisco 49ers (lugar dos Chiefs) - Joshua Garnett - Posição Offensive guard - Altura 1,95m - Peso 141,5kg  – Universidade Stanford

29 – New England Patriots

30 - Arizona Cardinals - Robert Nkemdiche - Posição Defensive tackle - Altura 1,92m - Peso 133,3kg  – Universidade Mississippi

31 - Carolina Panthers - Vernon Butler - Posição Defensive tackle - Altura 1,95m - Peso 146,5kg  – Universidade Louisiana Tech

32 - Seattle Seahawks (lugar dos Broncos) - Germain Ifedi - Posição Offensive guard - Altura 2,01m - Peso 146,9kg  – Universidade Texas A&M

Luto na NFL

Luto na NFL

Will Smith ex-defensive end do New Orleans Saints (2004 a 2013) e do New England Patriots (2014), é morto a tiros após briga de trânsito na noite de sábado 9 de abril, em Nova Orleans.

Campeão do Super Bowl XLIV defendendo o New Orleans Saints, Will Smith foi baleado depois de discutir com o motorista de uma Hammer H2, que bateu na traseira do seu Mercedes G63 SUV. De acordo com a polícia, a batida fez com que Smith ainda acertasse outro carro. A esposa do ex-defensive end, Racquel, que também estava no carro, foi atingida por pelo menos dois tiros e levada às pressas para o hospital mais próximo. Will deixa três filhos, William, Wynter e Lisa.

A polícia confirmou que a arma usada no crime já foi encontrada e que o motorista da Hammer foi preso e está sendo interrogado.

Ainda abalada, a família Smith divulgou um comunicado na manhã de domingo. “Em nome da família Smith, nós somos gratos pelo apoio e orações. Pedimos que vocês continuem a respeitar a privacidade da família à medida que eles lamentam a perda de um marido devoto, pai e amigo.”

Um pouco depois, Roger Goodell, comissário da NFL, declarou: “Isso é uma tragédia. Nossos sentimentos estão com a esposa do Will, Racquel, e seus três filhos. Ele deixará saudades em muitos companheiros de time e amigos”.

Will Smith teve uma carreira brilhante no New Orleans Saints. Foi escolha na primeira rodada do Draft de 2004 e defendeu o time de New Orleans por 10 temporadas. O ponto alto de sua carreira foi sem dúvidas ser campeão do Super Bowl XLIV na temporada 2009/2010. Apesar de ter assinado com os Patriots em 2014, foi dispensado antes do início da temporada e não teve chance no time daquele ano.

Os 8 odiados da NFL

Os 8 odiados da NFL

8

8 - DeSean Jackson, wide receiver, Washington Redskins
O jogo entre Packers e Redskins foi o mais “normal” entre as quatro partidas de Wild Card onde nenhum “erro” específico determinou a derrota da equipe da capital. O destaque mais negativo ficou por conta do DeSean Jackson, wide receiver do Washington Redskins que “desapareceu” e terminou a partida com apenas 2 recepções para 17 jardas.

7 - Adrian Peterson, running back, Minnesota Vikings
Um dos melhores jogadores da NFL, se não o melhor, Adrian Peterson não carregou o time nas costas como costuma fazer quando as partidas estão difíceis. Peterson sofreu um fumble que se evitado poderia ter deixado a equipe de Minnesota em situações muito mais confortável na partida.

6 - Jeremy Hill, running back, Cincinnati Bengals
A derrota dos Bengals foi uma sucessão de erros sem precedentes e tudo começou um um fumble sofrido pelo Jeremy Hill. A partida já estava ganha, era só ajoelhar, mas Jeremy correu e sofreu o fumble a poucos minutos do fim. Dando a chance dos Steelers virarem a partida. Vacilou muito!

5 - Bill O’Brian, head coach, Houston Texans
Atônito e invisível o treinador dos Texans nada fez ao ver seu quarterback sofrer 4 interceptações e não produzir nenhum ponto para o time de Houston o jogo inteiro. E você deve se perguntar o que ele fez para mudar isso? Nada!

4 - Adam Jones, cornerback, Cincinnati Bengals
Por má conduta, isso mesmo, por pura imaturidade Adam Jones, dos Cincinnati Bengals cedeu uma falta que colocou os Steelers em ótima posição de campo.

3 - Vontaze Burfict, linebacker, Cincinnati Bengals
Outro imaturo de Cincinnati foi Vontaze Burfict, por uma falta totalmente desleal, cruel e maliciosa tirando Antonio Brown da partida Vontaze deixou os Steelers a vontade para chutar o field goal da vitória. Que carma.

2 - Brian Hoyer, quarterback, Houston Texans
Vergonhoso. É somente isso que podemos dizer para o quarterback dos Texans. 4 intercepções, apenas 15 passes completados de 34 tentados, 0 pontos produzidos e um fumble espírita. Uma só palavra define o desempenho de Brian Hoyer na partida, vergonhoso.

1 - Blair Walsh, kicker, Minnesota Vikings
Você leu 7 histórias de fracasso de jogadores que contribuíram para a derrota de seus times, mas essa é fora do comum. Imaginem um time que ao longo do ano se superou a cada partida, jogando muito, vencendo de rivais que há tempos não conseguiam, um clima ótimo nos vestiários e com a torcida. Agora imagine jogar em casa, em um dos jogos mais frios da história (-20ºC) temperatura na qual o seu time está acostumado a enfrentar. Agora imagine que o seu time se mata em campo e deixa você, um atleta que treinou a vida inteira e somente faz uma coisa para o time, chutar. Por último, tente imaginar que você ao longo do ano e da partida vinha sendo quase perfeito, mas quando o time precisou de um simples filed goal de 27 jardas, menos que um extra point de 33 jardas, algo para ser automático VOCÊ erra e VOCÊ perde o jogo e o campeonato para os Vikings. É, para nós Blais Walsh foi o mais odiado jogador do Wild Card Round. Ficamos com dó.

U.S. National Anthem – Hino Nacional Dos Estados Unidos

U.S. National Anthem

Oh, say can you see,
By the dawn’s early light,
What so proudly we hailed
At the twilight’s last gleaming?

Whose broad stripes and bright stars,
Through the perilous fight,
O’er the ramparts we watched,
Were so gallantly streaming?

And the rockets’ red glare,
The bombs bursting in air,
Gave proof through the night
That our flag was still there.

O say, does that star-spangled
Banner yet wave
O’er the land of the free
And the home of the brave?

—-x—-

Hino Nacional Dos Estados Unidos

Oh, diga, você vê,
Pelas primeiras luzes do amanhecer
O que tão orgulhosamente nos cintila
Por último ao crepúsculo?

De quem faixas largas e estrelas luminosas,
Pela briga perigosa,
Sobre muralhas que nós assistimos,
Era assim fluindo tão galantemente?

E o clarão vermelho dos foguetes,
As bombas que estouram no ar,
Deu-nos prova pela noite
Que nossa bandeira ainda estará lá.

Oh, diga, faça aquela bandeira coberta de estrelas
Tremular contudo
Sobre terra do livre
E o lar do valente?

Outubro Rosa

Outubro Rosa

Outubro Rosa é um movimento internacional pela luta contra o câncer de mama.

Começou nos Estados Unidos, onde haviam muitas ações referente ao câncer de mama e saúde da mulher, porém elas aconteciam de formas isoladas. Ao perceber essa necessidade de unir esforços, o congresso americano decretou o mês de outubro como mês nacional de prevenção do câncer de mama.

A partir de então, anualmente no mês de outubro, o movimento ganha grande visibilidade com o objetivo de promover e conscientizar a população americana sobre a doença e compartilhar informações sobre o câncer de mama.

O laço cor-de-rosa, que é usado pra representar o movimento, surgiu pela pela primeira vez graças a uma iniciativa da fundação Susan G. Komen for the Cure, que organizou em 1990, na cidade de Nova York, uma corrida beneficente. No dia da corrida foram distribuídos laços para todos os participantes, e alguns anos depois esse objeto acabaria virando o símbolo do Outubro Rosa.

A NFL aderiu esse movimento, e em todos os jogos e transmissões do mês de outubro, os times divulgam cada um da sua maneira a campanha, por isso não se assuste ao ver logotipos, toalhas, bandanas, ou até mesmo uniformes cor-de-rosa, é por uma boa causa.

Aqui no Brasil o movimento chegou em 2002, através de algumas mulheres simpatizantes do combate contra o câncer de mama, que com o apoio de uma conceituada empresa européia de cosméticos iluminaram de rosa o Obelisco do Ibirapuera.

Com a ajuda de grandes empresas e apoiadores da causa, anualmente o Outubro Rosa vêm crescendo bastante no mundo inteiro, e querem que com essa visibilidade divulgar:
• Informações sobre câncer de mama,
• Mitos e verdades sobre prevenção e detecção precoce da doença,
• Informar sobre benefícios e riscos da mamografia.

Para mais informações sobre o outubro rosa aqui no Brasil, acesse - http://outubrorosa.org.br/

Total Quarterback Rating

Total Quarterback Rating

Antigamente o futebol americano não tinha tantas estatística bacanas das quais hoje não vivemos sem. Então, um passe de 40 jardas que cai perfeitamente no colo do recebedor dentro da end zone, era considerada uma jogada “legal”. E em outra situação completamente diferente, um quarterback entrega a bola para um corredor que fura a defesa adversária e consegue na quarta descida, exatamente uma jarda que o time precisava, outra jogada “legal” não é?

Mas esse “legal” tinha prazo pra acabar, principalmente por que os técnicos queriam saber mais sobre qual a importância do quarterback em cada jogada, e eles não estavam sozinhos, os próprios jogadores queriam saber mais, e é claro nós, os fãs, queríamos saber mais.

Por isso a ESPN americana criou o “Total Quarterback Rating” ou “QBR” uma medida baseada nas estatísticas, contextos, e detalhes de cada jogada, e o que ela representou para a vitória do time. Essa vontade de saber tudo sobre o jogo levou o próprio esporte a um nível de detalhes absurdo, onde tudo é anotado e vira estatísticas.

Segundo a ESPN a métrica pra calcular esse número tem mais de mil linhas de código de programação, mas nós vamos tentar resumir pra vocês.

Probabilidade de vitória e pontos esperados
Para definir o rating de cada jogador temos que ver o quanto ele contribuiu para a vitória. Isso incluí (qual a descida, distância, posição do campo, tempo no relógio, pedidos de tempos, se jogam em casa, a condição do campo, pontuação, e o resultado final do jogo) esses fatoers definem a função de probabilidade de vitória. Essa função trata toda vitória igual, independentemente se foi por 1 ponto ou por 50 pontos.

Dividindo os créditos
O próximo passo dessa conta gigantesca é dividir os créditos com os companheiros de time, essa parte é a mais difícil, porém a mais importante. Pode até parecer cliché mas um time é feito de cooperação entre as partes, e dividindo esse rating faz com que os jogadores que jogam em outras posições, cooperem para que os próprios números sejam individualmente bons e assim o time também sai beneficiado.

Fator dificuldade
O último grande passo é definir a dificuldade de ter conseguido completar a jogada. uma jogada normal tem esse fator em 1.0, essa mesma jogada se ocorre no 4º quarto tem esse fator fixado em 2.0, o máximo que esse fator de dificuldade atinge é de 3.0 e o mínimo de 0.3.

Depois de analisar minuciosamente todos esses dados o QBR também leva em consideração todos os passes tentados, passes completos, jardas aéreas, passes para touchdowns, e passes interceptados, para dizer em porcentagem a performance de cada atleta.

 

 

Entre Jardas | Futebol Americano BR - 2014