Navegue pela Home do seu time
A troca de Hyde não foi uma loucura

A troca de Hyde não foi uma loucura

anuncio_new_era_fundo

Que diria que uma equipe 1-31 nas últimas duas temporadas se daria ao luxo de trocar um corredor de mil jardas por uma simples quinta rodada de Draft. E não foi por nenhuma briga interna ou algo do tipo, como alguns podem pensar. Carlos Hyde foi trocado com o Jacksonville Jaguars única e exclusivamente para livrar o backfield para outro talento.

Seria o mesmo que – guardem as devidas proporções – o Falcons negociar Tevin Coleman, líder das estatísticas da equipe este ano apenas para dar espaço a Ito Smith, que acaba de chegar na equipe. Claro que não é tão simples, mas em um primeiro momento esta notícia assustou a muitos, mesmo a troca tendo lógica.

O Browns trouxe Hyde na agência livre, porém haviam dois corredores muito interessantes no Draft 2018 além de Saquon Barkley. Sony Michel e Nick Chubb foram companheiros e o estilo agressivo deles chamava muito a atenção. O Patriots ficou com Michel, logo, Chubb foi parar no Browns. Duke Johnson tem um estilo diferente, afinal, ele joga mais como recebedor que como corredor. Então Chubb e Hyde começaram a disputar o mesmo espaço.

Hyde começou a temporada com uma bagagem de 988 jardas e 6 touchdowns em 2016 e 940 jardas e 8 touchdowns em 2017. O contrato de US 15 milhões por três anos, com US 7 milhões garantidos dava ele o protagonismo no ataque. Porém, a média de jardas por corrida de Hyde estava aquém de seus números. Não que ele não estivesse correndo bem, pois foram 382 jardas e cinco touchdowns nesta temporada. Mas Hyde estava alcançando apenas 3,4 jardas por corrida, sendo que menos de uma jardas após o primeiro contato.

1036976390.jpg.0

O problema é o número de snaps que ele estava enfrentando, absurdamente – mas muito mesmo – maior que o de Chubb e Johnson. Some-se isso as corridas sensacionais que Chubb fez contra o Raiders e chegaremos a conclusão do negócio. Chubb pode dar mais jardas por partida que Hyde. Foi um bom movimento? Nem um pouco. Poderiam ter barganhado com o Jaguars por mais, uma vez que a equipe está desesperada? Claro. Contudo, a escolha de quinta rodada aceita pelo Browns revela o desespero em se livrar de Hyde, uma das melhores contratações da equipe na free agency.

O Browns aposta em mais um jovem. Quatro das dezesseis corridas de Chubb foram para mais de 15 jardas. Seria ele um playmaker? Ainda não dá para saber, mas o que fica claro é que o planejamento feito pela equipe na agência livre está começando a ser desfeito, tudo graças a suas escolha no draft. Se isso é bom ou ruim, só o tempo dirá.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

O Steelers não precisa mais de Bell

O Steelers não precisa mais de Bell

MKC

Sabe quando você rompe aquele namoro e algumas semanas depois sua (seu) ex-namorada (do) arruma outro (a) mais bonito (a)? Vocês nunca devem ter passado por isso não é mesmo? Mais muita gente já passou. Aquele sentimento de ciúme misturado com frustração e um toque de arrependimento…

Então. É isso que Le’Veon Bell deve estar sentindo. Depois de – com certa razão – se achar melhor que os U$ 8,5 milhões de sua franchise tag e não se apresentar para assinar o contrato, Bell está vendo “sua ex” derramar amores por outro “cara” que vem fazendo tudo o que ele fazia. Ao contrário do que o corredor pensava, ele não é insubstituível e, com muitos méritos, o “outro” vem sendo o protagonista na recuperação da equipe.

Até agora foram 710 jardas totais em seis partidas. Não é a média de 129 que Bell tem desde que começou a jogar profissionalmente, no entanto, a equipe também não é a mesma. James Conner tem se esforçado desde o training camp e os primeiro a reconhecerem isto foram os atletas de sua linha ofensiva. Na semana passada, o líder da equipe e quarterback Ben Roethlisberger veio pedir para que – com a volta de Bell – Conner também tenha suas chances.

Bell não reportou sua volta ainda como havia prometido. Estamos entrando na sétima semana e Steelers sabe que se ele chegar no prazo máximo para virar agente livre o time não poderá contar com ele. Serão U$ 8,5 milhões jogados fora. Além disso, correm o risco de vê-lo em uma equipe da AFC Norte no ano que vem, afinal, Bell – com suas atitudes – deixou claro que não tem a menor consideração com a franquia.

Cleveland Browns v Pittsburgh Steelers

E existe mais um agravante: diversos atletas criticaram a postura dele. Bell não é uma pessoa fácil de lidar, sendo assim, por que estragar um ambiente que começa a melhorar? O Steelers está em franca evolução na temporada, acabou de vencer o líder da divisão fora de casa e com certeza vai brigar pelos playoffs. A chegada de Bell e sua possível escalação como corredor número 1 vão deixar o vestiário muito pesado.

Então vocês podem ficar preparados para uma troca de Le’Veon Bell, mesmo por uma escolha mais baixa. O Steelers sabe que ele é elite, porém, suas atitudes perante a equipe não são nada do que a cultura da NFL espera. Fãs estão decepcionados, colegas e o front office também. Se Bell voltar e for escalado no lugar de Conner os atletas também ficarão desapontados e se, pela lógica, Bell receber menos trabalho, ele próprio causará muita confusão nos bastidores. Lembram daquela “dor de ser substituído”? É exatamente o que Bell não admitirá sentir se voltar a equipe.

O Steelers não precisa mais de Bell, então esta é a hora de Philadelphia Eagles, Tennessee Titans, San Francisco 49ers e Washington Redskins darem a cartada final para sua contratação.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

 

Equipes: As melhores performances da AFC

Equipes: As melhores performances da AFC

anuncio_new_era_fundo

A semana 6 se encerrou para as equipes da ACF na madrugada desta segunda-feira, quando New England Patriots e Kansas City Chiefs  fizeram uma das melhores partidas da temporada. Mas não foi só as duas equipes que se destacaram e agora contamos para vocês as melhores performances da Conferência Americana:

Miami Dolphins:

A equipe da Flórida jogou para mais de 540 jardas na vitória frente ao Chicago Bears na prorrogação. Mas não foi este o destaque maior da equipe. Sua defesa está muito bem e forçou quatro turnovers na partida. Destaque para o fumble forçado na linha de goal, evitando um touchdown e uma interceptação na end zone. A defesa de Miami é a grande responsável pela campanha de quatro vitórias até aqui.

Los Angeles Chargers:

A equipe teve uma partida digna de aplausos contra o Cleveland Browns, que estava surpreendendo nesta temporada. Sem tomar conhecimento do adversário, jogou para 449 jardas e 5 touchdowns. Melvin Gordon liderou as corridas com 132 jardas e 3 touchdowns, já Tyrell Williams recebeu 3 passes para 118 jardas e 2 touchdowns. O Chargers – se continuar neste ritmo – tem chance de pós-temporada.

New York Jets:

1052129098.jpg.0

A equipe verde de New York conseguiu sua terceira vitória – segunda seguida – em grande atuação da defesa. Foram três interceptações em Andrew Luck, sendo que uma delas em pareceria de Jamal Adams e Morris Claiborne com retorno para touchdown. O calouro Sam Darnold ainda sofre com algumas leituras erradas, mesmo assim jogou para 2 touchdowns e um rating de 113 pontos.

Pittsburgh Steelers:

O time de Ben Roethlisberger venceu uma bela partida nos segundos finais, fora de casa contra um rival de divisão. O Cincinnati Bengals  tem uma ótima equipe e é candidata aos playoffs, no entanto, sucumbiu ao talento da dupla Big Ben/Antonio Brown quando faltavam 10 segundos para o fim. James Conner voltou a ultrapassar as 100 jardas e a cada dia fica mais clara uma troca de Le’Veon Bell. Nunca duvide de uma “comeback season” do Steelers.

Baltimore Ravens:

Com os números da partida de ontem, a defesa do Ravens se torna a melhor do campeonato. Foram 11 sacks e 12 tackles for loss contra o Tennessee Titans. Este número flerta com o recorde da NFL. Oito jogadores diferentes colocaram “para baixo” Marcus Mariota. Isto não acontecia desde 2012, quando Greg McElroy, do New York Jets havia sofrido o mesmo número de sacks. Marcus Mariota deveria ser “beatificado” por mesmo com esta linha ofensiva inexistente não ter sofrido nenhum fumble.

ae8c817d-f610-465a-acb3-54384af23d28-_GW54533

New England Patriots:

Em uma partida maravilhosa, que mostra o porque de Bill Belichick ser considerado o maior treinador da história, o Patriots venceu nos últimos segundos. Tom Brady – apesar de confuso em alguns momento – foi cirúrgico no final. A equipe em si jogou muito, tanto no ataque quanto na defesa. Sem sombra de dúvidas, Chiefs e Patriots são as melhores equipes da AFC.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

 

Semana 6: Ravens humilham linha ofensiva do Titans

Semana 6: Ravens humilham linha ofensiva do Titans

MKC

Quem lha os números do ataque do Tennessee Titans frente ao Baltimore Ravens na tarde de ontem fica com vergonha alheia. Completando apenas 172 jardas totais, a equipe de Nashville atinge uma de suas piores marcas da história. Desde 1976, quando ainda se chamava Houston Oilers, a franquia não passava uma partida sem pontuar. Seria culpa do quarterback Marcus Mariota, que acertou apenas 10 dos 15 passes que tentou? Ou dos corredores, que tirando Mariota totalizaram apenas 30 jardas?

Não, a culpa foi da linha defensiva, que permitiu nada menos que 11 (isso mesmo, não digitamos errado), ONZE sacks em seu quarterback. O número é o recorde do Ravens em uma partida da NFL na era moderna. Também está junto com mais quatro equipes como segundo maior recorde de sacks em uma partida. O Ravens amassou a linha ofensiva do Titans de uma forma tão grande que o placar de 21 a 0 pareceu pouco.

Você pode até creditar a eficácia da defesa do Ravens a um pass-rusher acima da média, mas não. No total oito jogadores conseguiram aplicar sacks em Marcus Mariota. E para provar que a linha defensiva teve a pior atuação das últimas seis temporadas da liga (a última vez que isso aconteceu foi em 2012), por 12 – isso mesmo – DOZE vezes a defesa adversária conseguiu aplicar tackles atrás da linha de scrimmage.

oifafvh

 Za’Darius Smith, linebacker do Ravens contou após a partida que eles haviam perdido a conta de sacks no início do último quarto, quando alguém do staff da equipe avisou que se acontecesse mais um ele igualariam o recorde da franquia. A defesa voltou a campo e aplicou mais dois, se tornando a nova recordista.

Mariota estava visivelmente constrangido após a partida, dizendo que “nunca havia visto aquilo”. Já John Harbaugh, treinador do Ravens lembrou que sua defesa tinha uma motivação a mais. O ex-coordenador defensivo do Ravens, Dean Pees estava do outro lado do campo. Pees anunciou sua aposentadoria no início do ano, largando a equipe de Baltimore. No entanto, uma semana depois foi anunciado pela equipe de Nashville como novo coordenador ofensivo.

Mais sacks: 

Outras duas linhas ofensivas chamaram a atenção negativamente nesta rodada. A do Houston Texans deixou que os defensores do Buffalo Bills chegassem a Deshaun Watson por 7 vezes. A linha do Oakland Raiders também não foi feliz em Londres, permitindo 6 sacks contra Derek Carr.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

Irmãos “sack”!

Irmãos “sack”!

anuncio_new_era_fundo

Que família “assassina de quarterbacks”! Depois de uma semana recheada de sacks, a família Watt está no topo das estatísticas da liga. Tudo porque TJ Watt, o irmão mais novo aplicou nada menos que três sacks em Matt Ryan, na vitória do Pittsburgh Steelers  sobre o Atlanta Falcons.

Tendo assistido seu irmão jogando mais cedo, JJ Watt sabia que para não receber ligações de seu irmão “tirando sarro”, ele precisava de pelo menos um na partida de seu time, o Houston Texans contra o Dallas Cowboys no Sunday Night Football para atingir o topo e – ao lado de TJ – liderar as estatísticas da liga.

“Eu sabia que ele tinha seis sacks, então eu tinha que conseguir pelo menos um”, contou JJ Watt na tarde de hoje. “Caso contrário, eu não poderia atender meu telefone depois da partida. Eu senti falta de um durante o jogo, estava muito chateado por não conseguir.”

Mas no último quarto da vitória de sua equipe frente ao Cowboys ele conseguiu finalmente “caçar” Dak Prescott. Agora, liderando as estatísticas ao lado de seu irmão e de Geno Atkins, do Cincinnati Bengals, um dos – senão o – melhor defensor da última década falou sobre o prazer de ver os “irmãos sack” no topo da lista.

“É muito selvagem quando você vai e olha as estatísticas de sacks e vê nossos nomes um ao lado do outro”, disse JJ. “Nós costumávamos bater uns nos outros no quintal e agora nós conseguimos ver nossos nomes no topo da lista da NFL. Então é incrível e eu tenho sorte. Eu tenho dois irmãos incríveis (TJ e o fullback Derek Watt). Eu sou muito feliz “.

USP NFL: PITTSBURGH STEELERS AT NEW YORK GIANTS S FBN NYG PIT USA NJ

Mas a rivalidade fica apenas dentro de campo. Quando viu seu irmão sendo uma escolha de primeira rodada do Draft 2017, JJ comemorou muito. Já TJ parece menos focado na disputa, dizendo que “tem certeza que sua mãe acha muito mais legal do que ele” e que a “mamãe sack” deve ter “tirado uma foto dos dois nomes no topo da lista”

O irmão mais velho, JJ, rasga elogios a TJ. Provocando ele disse que “o prêmio de melhor defensor da semana da AFC é muito importante”, porém “não dá para esquecer que ele foi o melhor do mês passado”. Rivalidades familiares a parte, JJ Watt está, após algumas lesões voltando a ser aquele atleta que encantou a todos. 

“Sempre fomos competitivos”, disse JJ. “Sempre foi assim. Esta é apenas a primeira vez na liga que tivemos a chance de estarmos saudáveis ​​e ao mesmo tempo. Mas não somos rivais, somos os maiores fãs uns dos outros. Cada um de nós torce pelo outro. O máximo que pudermos, sempre que pudermos. Quero vê-lo aplicar o maior número possível de sacks, da mesma forma que ele quer me ver. Nós competimos, e definitivamente há um pouco de competição no campo, mas no final do dia, se ele conseguir 500 sacos, eu ficaria muito feliz.”

O Houston Texans de JJ Watt recebe o Buffalo Bills  no domingo, enquanto o Pittsburgh Steelers de TJ Watt viaja até Ohio, para enfrentar o Cinccinati Bengals de Geno Atkins, que divide a liderança de sacks nesta temporada com eles.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

 

As maiores surpresas da semana 5:

As maiores surpresas da semana 5:

anuncio_new_era_fundo

Findada mais uma semana, a NFL nos trouxe algumas surpresas. Claro que os favoritos Los Angeles Rams e Kansas City Chiefs superaram seus adversários com maestria. Mas nem todos os favoritos venceram e, agora, contaremos para vocês as três maiores surpresas da quinta semana da temporada regular:

Lions passando por cima do Packers:

Como comentamos aqui, foi um tarde difícil para o kicker do Green Bay Packers. Porém, ninguém esperava uma apatia tão grande do time de Aaron Rodgers no primeiro tempo. O Detroit Lions abriu 21 a 0 no primeiro tempo e – graças a diversas falhas do Packers – conquistou a vitória ali. A recuperação na temporada, que parecia eminente do time de Wisconsin se foi e a equipe começa a flertar com a possibilidade de ficar de fora dos playoffs novamente.

Por outro lado, temos que enaltecer o trabalho de Matt Patricia e Matthew Stafford. A defesa – ponto forte de Patricia no New England Patriots – funcionou e fez a diferença no primeiro tempo. Stafford conseguiu terminar a partida sem nenhuma interceptação (algo raro), com 2 passes para touchdown e um rating de 101 pontos.

Cleveland vencendo o Ravens: 

e79_07brownsjg37 (1)

Nós sabemos que o Cleveland Browns  está infinitamente melhor na defesa, tem jogadores muito interessantes no ataque como Jarvis Landry, Antonio Callaway, David Njoku, Carlos Hyde e Nick Chubb, além claro, de Baker Mayfield. No entanto, o Baltimore Ravens estava jogando muito bem e realmente foi uma surpresa a segunda vitória da equipe de Ohio.

A maneira que foi trouxe ainda mais requintes de crueldade para os fãs dos corvos. Perdeu na prorrogação após duas posses de bola que não conseguiram o levar a linha de field goal. Péssimo resultado para o Ravens e pasmem, o Browns continua invicto dentro de sua divisão.

Cardinals derrotando o Niners no Levi’s Stadium:

Depois da primeira partida de CJ Beathard como titular, quando a equipe perdeu por detalhes para o Los Angeles Chargers fora de casa, o mínimo que se esperava é que o San Francisco 49ers vencesse o Arizona Cardinals. O time do calouro Josh Rosen não havia vencido nenhuma partida. Era a chance do Niners ganhar em casa e trazer esperança ao seu torcedor após a lesão de Jimmy Garoppolo

Que nada. Foi atropelado pelo Cardinals, com direito a uma atuação trágica de Beathard, que além de ser interceptado por duas vezes sofreu dois fumbles, um deles com retorno para touchdown. Jogo até que emocionante, se tratando de duas das piores equipes da NFC.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

 

 

O rei do Overtime!

O rei do Overtime!

Brock oficial

Um número histórico. Pela terceira vez em cinco jogos o Cleveland Browns  leva sua partida para a prorrogação. E o mais histórico ainda, a equipe conta com três resultados diferentes: uma derrota, um empate e uma vitória. Isso mesmo, o Browns que perdeu todas ano passado está com duas vitórias empatado com Pittsburgh Steelers e Baltimore Ravens na AFC Norte.

Enfrentando o próprio Ravens em seus domínios, a equipe não teve vida fácil, uma vez que enfrentou uma das melhores defesas da liga. Logo na primeira posse do time de Ohio, o calouro Baker Mayfield sofreu uma interceptação, que culminou em um field goal do Ravens na posse seguinte.

Joe Flacco também foi interceptado e, depois de vários punts, o Browns conseguiu pontuar através de belo drive de 78 jardas comandado por Mayfield, que acabou com passe de 19 jardas para Rashard Higgins. Greg Joseph errou o extra-point, deixando a partida 06 a 03 para o time da casa. 

f47_07brownsjk06

No segundo tempo mais três field goals e as defesas se impondo sobre os ataques. O Browns conseguiu mais um field goal e o Ravens mais dois, o segundo quando faltava apenas um minuto para o final. Mayfield ainda conseguiu colocar a equipe em posição de vencer a partida no tempo normal, mas Joseph perdeu um field goal de 55 jardas.

O terceiro overtime da equipe – segundo consecutivo – veio e foi emocionante. Depois de empatar dentro de casa na semana 1 em situação semelhante, o time de Cleveland precisou de três posses para enfim chutar o field goal da vitória. Desta vez Mayfield conseguiu colocar a equipe na porta da red zone e o kicker acertou um field goal de 37 jardas. O chute saiu em baixo e a impressão é que não iria entrar, mas no fim a vitória veio para os fãs de Cleveland.

f2f_07brownsjk20

Mayfield acertou 25 das 43 tentativas de passe para 342 jadas, um touchdown e uma interceptação. Com esta vitória o Browns já conquista mais vitórias em cinco semanas do que conseguiu nas duas últimas temporadas. Outro destaque foi o “mix” de passes de Mayfield, que contou com quatro atletas recebendo mais de 60 jardas.

A próxima partida do Cleveland Browns é no domingo contra o Los Angeles Chargers, no FirstEnergy Stadium.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

 

 

 

Como estava a classificação das divisões neste mesmo período em 2017?

Como estava a classificação das divisões neste mesmo período em 2017?

anuncio_new_era_fundo

A NFL tem um índice de competitividade incrível. Salvo algumas divisões que estão estagnadas, sempre existe muita disputa pelas vagas na pós-temporada. Então voltamos ao mesmo período que vivemos – semana 4 – um ano atrás, para saber como estavam as equipes que chegaram aos playoffs e, pela tabela, dizer se quem liderou as divisões neste período conseguiu chegar longe.

Confira a classificação das oito divisões após a semana 4 da temporada 2017:

AFC Leste:

As duas equipes que chegaram aos playoffs lideravam a divisão. O Buffalo Bills tinha três vitórias e o New England Patriots duas. O Patriots – para variar – levou a AFC Leste e o Bills conseguiu chegar à pós-temporada. O New York Jets tinha a mesma campanha do Patriots, mas após isso só venceu mais três nas 12 rodadas restantes.

AFC Norte:

O Pittsburgh Steelers vivia fase bem diferente deste ano. Com três vitórias liderava a conferência com folgas. Baltimore Ravens e Cincinnati Bengals tinham vencido apenas uma e o Cleveland Browns nem precisa falar… O Steelers foi o único a chegar a pós-temporada. O Ravens passou perto, porém foi eliminado após uma derrota para o Bengals na última rodada.

AFC Oeste:

O Kansas City Chiefs liderava a divisão de forma invicta (assim como este ano). O Denver Broncos estava em segundo,  também somando três vitórias (Chiefs teve folga na semana 4). O Oakland Raiders, que vinha de uma temporada 13-03 em 2016 estava com duas vitórias em quatro jogos. O Los Angeles Chargers havia perdido as quatro primeiras partidas. Apenas o Chiefs chegou aos playoffs.

AFC Sul:

A divisão mais equilibrada da AFC tinha três equipes com duas vitórias: Jacksonville Jaguars, Tennessee Titans e Houston Texans. O Texans era o favorito da divisão, mas a lesão de Deshaun Watson acabou com os sonhos da franquia. Jaguars e Titans chegaram a pós-temporada e, coincidentemente ambos foram eliminados pelo Patriots.

1024x1024-900x599

NFC Leste:

O Philadelphia Eagles “voava” com Carson Wentz e liderava com três vitórias. Em segundo vinha o Washington Redskins, empatado com o Dallas Cowboys (duas vitórias). Porém o Redskins havia jogado apenas três partidas, diferente da equipe do Texas. O New York Giants caminhava para uma de suas piores campanhas da história (estava 0-4).

NFC Norte:

Detroit Lions e Green Bay Packers lideravam a divisão, com três vitórias cada. O campeão ao final do ano, Minnesota Vikings estava com duas vitórias em quatro jogos. Já o Chicago Bears havia vencido apenas uma partida. Esta foi a primeira temporada em anos que o Packers ficou de fora dos playoffs.

NFC Oeste:

No ano passado o Los Angeles Rams se impôs desde o início do campeonato. Não tinha uma campanha tão boa quanto este ano, mas estava liderando com três vitórias. O Seattle Seahawks e o Arizona Cardinals haviam vencido duas, enquanto o San Francisco 49ers de Brian Hoyer tinha perdido todas.

NFC Sul:

A NFC Sul estava muito equilibrada, com duas equipes com três vitórias e as outras duas com duas vitórias. O interessante é que a última colocada nesta época, o Atlanta Falcons chegou aos playoffs, inclusive passando pelo Wild Card Round. Carolina Panthers  e New Orleans Saints, que lideravam a divisão também passaram, inclusive se enfrentaram na rodada de Wild Card.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

 

 

Ravens DC: “Mayfield é o Favre desta geração”

Ravens DC: “Mayfield é o Favre desta geração”

 

MKC

Quem teve a oportunidade de acompanhar a NFL no início da década passada, teve a chance de ver Brett Favre em campo. Quem foi um pouco mais “sortudo” e acompanhou a liga nos meados da década de noventa, também pode assistir a John Elway. Os dois foram grandes ícones da liga e são merecidamente atletas do Hall da Fama.

Elway dava passes geniais, ao mesmo tempo que com uma raça incomparável corria para ganhar jardas impossíveis. Favre tinha um arremesso incomparável, que por mais que os “Patrick Mahomes e Josh Allens da vida” tentem, nunca alcançarão aquela velocidade e precisão. Os dois foram ícones de sua geração e até hoje são considerados os maiores da história. Mas segundo o coordenador defensivo do Baltimore RavensDon Martindaletem um calouro na liga que pode se equiparar a eles.

“Eu já disse isso a minha  defesa e vou repetir: acho que Baker Mayfield é Brett Favre ou John Elway desta geração”, disse Martindale “Esse cara sabe onde ele quer ir com a bola, ele é muito preciso. Ele tem um lançamento rápido e está realmente jogando bem. Ele vai ser grandioso na liga.”

A alegação de Don não é apenas pelo comeback de Mayfield contra o Jets, ou pelo bom jogo frente ao Raiders. Mayfield fez muito no College e todos os treinadores da NFL sabem disso. A atitude dele é de um veterano, não se escondendo atrás da desculpa de ser um calouro para não tentar o mais arrojado. Na partida contra o Raiders ele jogou para 295 jardas frente a uma secundária boa e fora de casa. E não foi só isso, ele liderou sua equipe para buscar a vitória, que só não veio pelo acaso.

O próprio John Harbaugh falou a respeito disso. O treinador do Ravens é 15-5 contra quarterbacks calouros, mas nesta partida sabe que não enfrentará apenas mais um novato. Para John ele “não é um calouro no verdadeiro sentido, ele é bastante avançado”. Os elogios, tanto de Harbaugh quanto de Martindale são dos comandantes da defesa número 2 da liga, que será um teste “de fogo” para o jovem de Cleveland.

O coordenador ofensivo do Browns sorriu ao saber das declarações de Martindale e Harbaugh. Segundo ele, estas coisas “são todas esquecidas em campo quando a defesa adversário vem para cima”. Mais cauteloso, disse apenas que a partida contra o Ravens “será um teste real para Baker”, mas “está animado com o jovem”.

Ron Wolf, o homem que “descobriu” Brett Favre e contra tudo e todos levou-o para o Green Bay Packers em 1992, disse que Mayfield é um vencedor. Ele acompanha a carreira de Baker desde o College e sabe de toda a sua capacidade. Não quis compará-lo a Favre, mas acredita que o calouro de Cleveland ainda vai ser um dos grandes da NFL.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

Bell dá entrevista falando de sua volta

Bell dá entrevista falando de sua volta

MKC

Parem as máquinas! Esta expressão – pouco utilizada no Brasil atualmente, uma vez que os jornais impressos são cada vez menores – deve ter sido dita na manhã de hoje nos jornais de Pittsburgh, afinal, segundo fontes relataram a ESPN Americana Le’Veon Bell voltará à equipe.

Acreditando que será mais fácil assinar um novo contrato se estiver jogando, o corredor que não se apresentou para assinar sua franchise tag este ano deve voltar entre as semanas 7 e 8. Em declaração por telefone, Bell disse que odeia ficar longe do futebol e que ficar fora durante toda a temporada nunca foi um plano.

“É uma droga ter que ficar de fora do futebol”, disse Bell por telefone do sul da Flórida. “Eu quero jogar. Eu quero ganhar os jogos e os playoffs. Mas eu tenho que assumir essa posição. Conhecendo o meu valor e sabendo que posso romper um ligamento ou fazer uma cirurgia a qualquer momento, eu sabia que não poderia jogar 16 jogos com 400 ou mais toques.”

O Steelers voltaram a trabalhar em sua negociação no início da semana, uma vez que após a lesão de Earl Thomas, ele fez um comentário que dava a entender que não voltaria mais ao time da Pensilvânia. Porém Bell garantiu que não tem interesse em defender outra equipe, como supostamente é cogitado. Inclusive disse que espera “se aposentar na equipe de Pittsburgh”.

Eu poderia ser ingênuo ou esperançoso, mas no final eu sinto que é o que vai acontecer”, disse Bell sobre uma renovação de contrato. “Eu não acho que eles realmente querem que eu vá embora. Isso poderia ser eu sendo orgulhoso. Mas eu ainda estou esperando por uma oferta.”

LeVeon_Bell_not_willing_to_play_under_franchise_tag_with_Pittsburgh_Steelers__1_.0

O Steelers chegaram a fazer uma oferta alta para Bell na offseason, chegando a U$ 70 milhões por 4 anos. Mas o que emperrou as negociações foram as garantias finais do contrato, que chegaram a U$ 17 milhões, muito pouco segundo o agente do atleta. Jogadores do seu nível, como Todd Gurley e David Johnson receberam U$ 31 milhões e U$ 45 milhões garantidos, respectivamente.

Além do dinheiro que Bell está perdendo, cerca de U$ 853 mil por partida, sua imagem começa a ser arranhada. Patrocinadores e fãs da cidade estão começando a culpá-lo pela má fase da equipe, que tem apenas uma vitórias em quatro jogos. Bell também falou a respeito deste “marketing negativo”.

“Está me custando alguns fãs”, disse Bell. “Muitas pessoas me chamam de egoísta, mas eu realmente não sou. Eu estou fazendo isso por jogadores como eu e por caras que não entendem o que está acontecendo em relação aos negócios do futebol. Os 22 anos que eu tenho jogado futebol me agregam valor e, não acho que os Steelers estejam valorizando tanto isso.”

Mesmo não querendo uma troca, Bell disse estar ciente das equipes que buscaram contato com o Steelers. Ele está treinando duro e mantém a forma. Segundo a fonte ele deve se apresentar na semana 7 justamente para ter uma semana de treinos com a equipe, já que é o “bye week” do Steelers. Isto se confirmando, o corredor All-Pro que tem a maior média da NFL – 128,9 jardas por partida nas cinco primeiras temporadas  – pode voltar a defender o Steelers contra o Cleveland Browns.

“Eu sei que o dinheiro garantido estará lá (na agência livre do ano que vem)”, disse Bell. “Sei também do interesse do Jets, 49ers, Colts, Browns e Eagles. No futebol, você precisa de um pouco de treino para se entrosar novamente com o Ben (Roethlisberger) e com a linha ofensiva. Sinto-me forte, explosivo, rápido. Acho que a coisa mais importante para mim agora é que meu estado mental.”

Esta entrevista de Le’Veon Bell dá tranquilidade – pelo menos momentânea – aos fãs da franquia, que viram seu ataque terrestre correr apenas 19 jardas totais contra o Baltimore Ravens no último domingo. Para completar, Bell falou sobre o vestiário, já que alguns jogadores da linha ofensiva reclamaram de sua postura.

“Eu tenho um bom relacionamento com os jogadores da equipe”, disse Bell. “Eles provavelmente acham que eu os fiz ‘corpo mole’. Mas eu acho que eles entendem a decisão. Eles disseram algumas coisas na mídia, mas não estou muito chateado com isso. Foi um pouco decepcionante, mas eu entendo o lado deles. Espero que eles consigam entender o meu lado.”

Agora resta aos fãs do Steelers esperarem mais três semanas para contarem com Bell no elenco. Lembrando que com ele se apresentando na semana 7, consegue cumprir o estabelecido para se tornar um agente livre em 2019. Vale lembrar também que James Harrison, há uma semana deu um conselho um pouco desleal para o atleta. Harrison disse que “se fosse Bell se apresentava no prazo estabelecido e depois fingiria uma lesão”. Vamos aguardar os próximos capítulos.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

Mayfield e seus quatro turnovers na estreia como titular

Mayfield e seus quatro turnovers na estreia como titular

Quem acompanhou a partida – ou tiroteio – entre Cleveland Browns e Oakland Raiders pode se deparar com a primeira partida de Baker Mayfield como titular. A primeira escolha do Draft 2018 teve suas primeiras falhas durante a temporada e, por mais que pese sua inexperiência, as falhas custaram a derrota do time de Ohio.

De início uma pick six – interceptação com retorno para touchdown – logo no segundo drive da equipe pode ter abalado o calouro. O primeiro touchdown da equipe aconteceu em uma corrida, mas na conversão de dois pontos Mayfield falhou novamente. Vale ressaltar que no drive anterior, que terminou em field goal ele deu ótimos passes. Assim como no segundo touchdown da equipe, encontrando Darren Feels em uma pequena janela.

Mas como todo calouro ele precisa aprender a cuidar da bola. Mesmo estando na frente do placar são estas jogadas que revivem e empolgam que está do outro lado da bola. E foi assim que o Browns perdeu o jogo para o Raiders. Logo após um passe de duas jardas para Jarvis Landry, colocando uma diferença de 28 a 14 no placar, Mayfield levou um tapa na mão quando ia lançar a bola, caracterizando fumble. Esta falha resultou em uma sobrevida do Raiders, que converteu um touchdown e um field goal diminuindo a diferença para quatro pontos.

E em um outro fumble de Mayfield veio a virada. Desta vez ele e center se atrapalharam, deixando a bola para a linha defensiva adversária. Mayfield se recuperou, deu mais alguns passes e sua segunda interceptação foi quando faltavam apenas 7 segundos para o fim da partida. A derrota veio na prorrogação, quando em sua única posse Mayfield não conseguiu colocar a equipe em chance de pontuar.

BNG-L-RAIDERS-1001-29

Se na vitória contra o New York Jets o treinador Hue Jackson elogiou muito o calouro, ontem foi a hora de dar um “puxão de orelhas” nele:

“Estou cansado de perder para evoluir”, disse Hue Jackson. Acho que podemos fazer essas coisas melhor. Podemos fazer melhor. Baker pode fazer melhor. Nosso ataque pode fazer melhor. Equipes especiais podem fazer melhor, a defesa pode fazer melhor. Então temos que jogar melhor.”

Mayfield acertou apenas 21 de seus 41 passes para 295 jardas, 2 touchdowns, 2 interceptações e 2 fumbles. Em contrapartida, o ataque terrestre da equipe muito bem, totalizando 208 jardas. Agora o jovem terá a responsabilidade de encarar um dos lideres da divisão, Baltimore Ravens no próximo domingo em casa. Uma vitória pode reacender a equipe e seu sonho de chegar aos playoffs, uma vez que a AFC Norte está muito equilibrada.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

 

 

 

Bell comenta sobre lesão de Earl Thomas e deixa claro sua posição

Bell comenta sobre lesão de Earl Thomas e deixa claro sua posição

MKC

Uma resposta no Instagram deixou clara a situação de Le’Veon Bell no Pittsburgh Steelers. Alheio a derrota da equipe para o Baltimore Ravens, o atleta fez questão de se posicionar sobre a lesão de seu colega de profissão Earl Thomas, que vivia situação “similar” a dele, mas acabou voltando a jogar pelo Seattle Seahawks, sendo “premiado” com uma fratura na perna.

A situação contratual dos dois atletas é diferente. Thomas tinha um contrato com o Seahawks, já Bell não. Foi marcado com uma franchise tag, no entanto preferiu não assinar. A posição dos dois se assemelhava em uma questão: queriam um contrato maior e com garantias para caso ocorresse uma lesão não serem prejudicados (como aconteceu com Earl Thomas ontem).

E foi no Instagram que Bell deixou clara sua mensagem para o front office do Steelers. Em um post da ESPN Americana, no qual mostrava uma foto de Thomas apontando o “dedo médio” para a lateral do Seahawks enquanto era levado com a perna imobilizada, o corredor disparou:

“Exatamente. Fique bem bro Earl. Eu continuarei sendo o vilão por TODOS nós”.

screenshot_20181001-091932_instagram-e1538400686515

A declaração fala exatamente sobre a legenda da foto, uma declaração de Bobby Wagner, companheiro de equipe de Earl Thomas após a lesão.

“Se ele não viesse, então ele não era um jogador de equipe”, se referindo a vontade de Thomas em não se apresentar para jogar. “Se ele vem e se machuca é como: ‘Ele não deveria ter vindo’. Se eu fosse ele, ficaria chateado.”

A frase acumulada com o contexto geral a partir de agora deixa Bell bem longe do Steelers, a não ser que a equipe sente com seu agente e ofereça um contrato. Vale lembrar que o que pesa ainda mais é a situação de outros atletas do Steelers, que ganharam contratos maiores. Antonio Brown, por exemplo, tem uma importância tão grande na equipe quanto Bell e está garantido com seu contrato.

Outro agravante para que a situação seja solucionada é a campanha do Steelers, que conta com apenas uma vitória na temporada. Após uma boa atuação na primeira semana, o ataque terrestre da equipe alcançou míseras 19 jardas na derrota de ontem, um dos piores números da história da franquia.

Resta agora saber se o Steelers vai oferecer um contrato a Bell ou se irá negociá-lo. Algumas equipes já consultaram sobre a possibilidade e não será nenhuma surpresa se nos próximos dias se a equipe de Pittsburgh anunciar a troca de Le’Veon Bell.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

 

 

AFC: Patriots humilha, Dalton mágico e Mariota espetacular

AFC: Patriots humilha, Dalton mágico e Mariota espetacular

Brock oficial

Acabaram as primeiras partidas do domingo e as equipes da AFC conquistaram vitórias espetaculares. Confira:

Mariota espetacular em virada na prorrogação:

O Tennessee Titans  estava perdendo por 17 a 3 na metade do terceiro quarto e mesmo assim conseguiu a virada. Comandado por Marcus Mariota, que jogou para 390 jardas totais, 2 touchdowns e uma interceptação, a equipe ainda viu o Philadelphia Eagles levar o jogo para a prorrogação nos segundos finais.

Mariota brilhou no overtime, conseguindo duas conversões longas de terceira descida que poderiam decretar a derrota da equipe, uma vez que o Eagles havia conseguido um field goal. Com pouco tempo no relógio e próximo de empatar a partida, Mariota encontrou Corey Davis para um passe de 10 jardas, o touchdown que lhe rendeu a vitória. Davis também se destacou na partida, recebendo para 169 jardas. O placar final foi de 26 a 23 para o Titans.

Texans levam susto, mas vencem a primeira:

O Houston Texans finalmente venceu na temporada 2018, mas não foi nada fácil. Após estar vencendo por 31 a 23 quando faltavam apenas três minutos para o fim da partida, sofreram o empate em drive sensacional de Andrew Luck. Na prorrogação saíram atrás, mas conseguiram empatar e virar o placar com o kicker Ka’Imi Fairbairn.

Deshaun Watson totalizou 424 jardas se somarmos passes e corridas, conseguindo três touchdowns – um terrestre – e uma interceptação. DeAndre Hopkins foi o grande destaque ofensivo com 169 jardas em 10 recepções, além de um touchdown. Na defesa, Jadeveon Cloney conseguiu recuperar a bola dentro da end zone após uma falha do Indianapolis Colts, marcando touchdown. O placar final foi de 37 a 34 para o Texans.

Texans Colts Football

Patriots amassa Dolphins:

O New England Patriots pôs fim a invencibilidade do Miami Dolphins com um placar elástico. Mesmo com Tom Brady sofrendo duas interceptações, a equipe não tomou conhecimento do adversário e se recuperou muito bem dentro da conferência.

James White foi o grade destaque da equipe, com um touchdown correndo e um recebendo passe. Sony Michel também foi muito bem e alcançou 112 jardas e um touchdown. Brady acertou 23 dos 35 passes tentados para 274 jardas e três passes para touchdown. O placar final foi de 38 a 7 para o Patriots.

Dalton conquista vitória no final:

Faltando apenas 7 segundos para o fim, Andy Dalton conseguiu uma vitória importantíssima para o Cincinnati Bengals. A defesa do Atlanta Falcons tentou de tudo, mas o deficit de cinco pontos foi quebrado após um drive sensacional que durou pouco mais de quatro minutos. O passe da vitória, como não poderia ser diferente foi para AJ Green.

Tyler Eifert, John Ross, Giovani Bernard (por duas vezes) marcaram os touchdowns da equipe. Andy Dalton jogou para 337 jardas, 3 touchdowns e uma interceptação. A defesa também apareceu, aplicando três sacks em Matt Ryan. O placar final foi de 37 a 36 para o Bengals.

Defesa do Jaguars “engole” Jets:

O Jacksonville Jaguars conquistou importante vitória contra o New York Jets. Com uma defesa dominante, não permitiu que o Jets pontuasse até a metade do terceiro quarto. Por três vezes a equipe conseguiu aplicar o sack no quarterback Sam Darnold, mas o forte foram os tackles for loss nos corredores de New York.

Blake Bortles conseguiu acertar 28 dos 38 passes para 388 jardas, 2 touchdowns e uma interceptação. TJ Yeldon foi o melhor no jogo terrestre com 52 jardas. Dede Westbrook e Donta Moncrief foram espetaculares no jogo aéreo, conseguindo 130 e 109 jardas, respectivamente.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

 

 

Big Ben e o silêncio no vestiário do Steelers

Big Ben e o silêncio no vestiário do Steelers

Traktor EJ (2)

Pessoas velhas normalmente são rabugentas, certo? Mas este não é o caso de Ben Roethlisberger, quarterback do Pittsburgh Steelers e um dos grandes líderes da equipe. Porém, Big Ben soa como “rabugento” para os jovens da equipe mesmo tendo apenas 36 anos. Tudo porque ele proíbe som alto no vestiário em “horário comercial”.

O swag e as danças rolam soltas quando o grandalhão vai embora mais cedo, mas desde sua época de calouro o atleta não permite que seja tocado som alto nos vestiários das 8 horas da manhã até às 4 horas da tarde. A tradição começou com os veteranos Alan Faneca e Brett Keisel, mas desde 2004 cabe a Big Ben manter a ordem no vestiário preto e dourado. 

“Essa é uma das razões pelas quais eles inventaram fones de ouvido, para que você possa ouvir sua música”, disse Roethlisberger rindo. “Se você quer ouvir música, isso não é problema, nós simplesmente não queremos ter que ouvir as músicas de outras pessoas. É sempre uma tradição e nós tentamos continuar.”

Big Ben conta que não é sempre que ele precisa dar aquela “chamada” nos companheiros e, que também, não é uma coisa pragmática que possa estragar o ambiente. Na sala de musculação é permitido, nos campos também (pois as equipes colocam o som alto para simular o barulho da torcida), no entanto, dentro do vestiário “não pode”.

“Normalmente eu envio para AB (Antonio Brown) uma mensagem (de texto) do outro lado do vestiário”, disse Roethlisberger. “Eu escrevo: ‘AB, música’. Ele disfarça, desliga e diz: ‘My bad’. É muito engraçado. Nós nos divertimos com isso. Ele sempre põe a culpa em Vinny (Williams) ou em outra pessoa. Geralmente é feito de uma maneira engraçada. Não é realmente sério. Mas eu tento manter essa tradição viva.”

a263

Alguns jogadores concordam com as regras de Roethlisberger, como Darius Heyward-Bey. Segundo ele, ali é um lugar para treinar. Tem que ser um ambiente divertido, mas não pode virar uma danceteria. Criando regras e as obedecendo a equipe permanece unida e consegue focar no principal, que é treinar. 

“Não precisamos de um Club (boate) aqui 24 horas por dia”, disse Heyward-Bey. “É assim em outras equipes. Roethlisberger é um grande responsável por isso, ele chega e nos diz: ‘Ei, pessoal, das 8 às 4, vamos nos concentrar. Divirta-se e ria, mas não precisamos de um Club aqui’. E eu acho que isto está certo.”

Porém Heyward-Bey conta que na sexta-feira a festa está liberada, uma vez que Big Ben sai para a reunião com os treinadores mais cedo. Eles tentam respeitar a mídia e responder as perguntas, mas quando todos os repórteres vão embora a festa começa. Roethlisberger não liga, mas sabe que a preparação no vestiário é de suma importância tanto nos treinos quanto nos jogos. Uma vez que – segundo ele – são nos treinos que a equipe começa a ganhar dos adversários de domingo.

“Eu sempre digo aos companheiros de equipe que quando eu me aposentar eles podem mudar as regras, fazer o que quiserem”, disse Roethlisberger. “Mas eu espero que eu possa passar algumas das mesmas coisas que foram passadas para eles. Eu acho que no dia do jogo e  nos treinamentos todos querem se preparar de forma diferente. Como eu vou me preparar se esse cara está escutando rap, o outro cara está ouvindo country e aquele cara está ouvindo hard rock? É difícil se concentrar. Então é só uma questão de respeitar a área de todos e o processo deles antes dos treinos e jogos.”

O Pittsburgh Steelers do “xerifão” Ben Roethlisberger encara o rival Baltimore Ravens no próximo domingo, no Sunday Night Football. A equipe da Pensilvânia recebe os adversários em busca de sua segunda vitória na temporada.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

Como Tyrod vai reagir a reserva?

Como Tyrod vai reagir a reserva?

Brock oficial

A manhã desta quinta-feira marcou a volta de Tyrod Taylor aos treinos. Depois de anunciada oficialmente a titularidade de Baker Mayfield, o ex-quarterback do Buffalo Bills  estará na linha lateral acompanhando a performance do jovem calouro.

A lesão aconteceu no fim do segundo quarto da partida da última quinta-feira, quando um defensor do New York Jets atirou com força o jogador ao chão. Na batida ele ficou tonto e, depois de encaminhado para a “tenda azul”, foi levado aos vestiários para não voltar mais. Ele havia feito sua pior partida pela equipe até então, acertando apenas 4 dos 14 passes tentados para 19 jardas.

Baker Mayfield entrou e como todos sabem proporcionou a primeira vitória da equipe após 635 dias. Agora como reserva, resta saber como Taylor vai se portar até o fim da temporada, uma vez que ele não foi mal em nenhuma das duas primeiras partidas da equipe.

Na estreia, quando a a equipe empatou em casa com o Pittsburgh Steelers, ele foi um dos melhores da equipe. Deu um passe para touchdown e marcou um touchdown terrestre em bela corrida. Deixou a equipe em posição de vitória, que não veio em um field goal bloqueado. Mas foi no segundo jogo que ele realmente se destacou, na derrota para o New Orleans Saints.

new-york-jets-v-cleveland-browns-5ba452a453ca2908e3000001

Taylor acertou 22 dos 30 passes para 256 jardas e um touchdown. Seu rating foi de 95 pontos, a equipe perdeu três field goals e dois pontos extras, o que daria a vitória a Taylor. Contra o New York Jets ele realmente não estava bem, mas e difícil afirmar que Hue Jackson iria colocar Mayfield caso a concussão não acontecesse.

Com dois anos de contrato e um salário base de U$ 15 milhões por ano, começa a se especular uma troca do quarterback na próxima temporada. Claro que isso depende da atuação de Mayfield, que caso se torne o que os fãs e a franquia imaginam, não precisará de um reserva tão caro. Dispensá-lo ao fim da temporada não é uma alternativa interessante, uma vez que o dead cap dele é de U$ 16 milhões para a próxima temporada. Sendo assim, para diminuir o “prejuízo” do Cleveland Browns uma troca seria bem vinda.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

Harrison: “Bell deve voltar e fingir uma contusão”

Harrison: “Bell deve voltar e fingir uma contusão”

MKC

Uma entrevista do ex-linebacker do Pittsburgh Steelers chamou a atenção. O jogador que é o líder de todos os tempos em sacks na franquia da Pensilvânia, deu “conselhos” meio estranhos a Le’Veon Bell, que segue em “litígio” com a equipe.

Segundo a entrevista de James Harrison a Sport Illustrated, Bell deveria voltar ao Steelers ate 13 de novembro para se garantir como agente livre na próxima temporada, no entanto, o atleta segundo ele deveria treinar bem e no sábado acusar uma lesão para não arriscar sua saúde para a próxima temporada.

Se eu sou Le’Veon, eu volto perto de 13 de novembro”, disse Harrison, referindo-se ao prazo que Bell  tem para se garantir como agente livre. “Eu entro lá, recebo meu crédito nesta temporada e vou fazer o melhor que puder para sair desta temporada saudável. Eu daria tudo na prática. A equipe e as câmeras veriam que eu estou bem, estou saudável. Mas no sábado, eu diria que algo não está certo e que não poderia jogar no domingo. Porque se eu for para o jogo e algo ruim acontecer, eu vou perder muito dinheiro.”

james-harrison-081816-usnews-getty-ftr_10eovkfchqmka1pfaxrxz09oil

A declaração de Bell demonstra um pouco de rusgas contra a franquia, uma vez que ele foi dispensado após algumas desavenças. Cinco vezes Pro Bowl e eleito uma vez o “Melhor Defensor da NFL” quando defendia o Steelers, Harrison não aceitava ser tão pouco utilizado como aconteceu na temporada passada. Chegou a assinar um contrato com o New England Patriots, mas logo a seguir anunciou sua aposentadoria

Ele também disse que não acredita em uma troca de Bell, uma vez que as franquias sabem que podem tê-lo “de graça” no ano que vêm. Retornar para a equipe e jogar a temporada – segundo Harrison – não é uma opção para o corredor, já que ele enfrentará problemas no vestiário. Harrison passou por isso este ano, quando pediu para ser dispensado. Seu colega de equipe, Maurkice Pouncey declarou que com esta atitude ele estava “apagando seu próprio legado na franquia”.

Le’Veon Bell queria um novo contrato que o pagasse mais e lhe desse garantias, mas o Steelers colocou uma franchise tag nele para jogar esta temporada, no valor de U$ 14,5 milhões. No entanto, ele preferiu não assinar contrato e ainda não se apresentou ao Steelers, perdendo U$ 2,6 milhões nas primeiras três semanas da temporada. A franquia se abriu para negociá-lo, mas até agora ninguém fez uma oferta oficial que agradasse o time de Pittsburgh.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

Mayfield ou Taylor? Decisão sai na segunda-feira:

Mayfield ou Taylor? Decisão sai na segunda-feira:

MKC

Depois de ver seu quarterback titular jogar para apenas 19 jardas em quase a totalidade do primeiro tempo, o destino sorriu para Hue Jackson, que após uma lesão na cabeça de Tyrod Taylor teve a oportunidade de colocar Baker Mayfield para jogar. Taylor não havia ido mal em suas partidas como titular, muito pelo contrário.

Foi o destaque da equipe frente ao Pittsburgh Steelers na estreia, colocando sua equipe em posição de vencer (field goal bloqueado). Também foi responsável por boa atuação do ataque na derrota para o New Orleans Saints, em partida que o ex-kicker perdeu nada menos que três field goals e dois extra-points. Mas contra o Jets seu jogo não estava funcionando e um 0-3 poderia render uma demissão para Hue Jackson antes da metade da temporada.

b40_20brownsjk11

O que se viu após a entrada da primeira escolha do Draft 2018, Baker Mayfield foi surreal. Os recebedores começaram a funcionar, os espaços para Carlos Hyde se abriram e desde o primeiro drive a equipe foi outra em campo. A defesa do Jets não sabia o que esperar do calouro, que transformou um 14 a 0 em 21 a 17, tirando a equipe da fila de 635 dias sem vitória.

Mas quem será o titular na semana 4? A resposta parece em óbvia, mas Hue Jackson não quis dá-la na noite de ontem (20). Talvez por respeito a Tyrod, que saiu lesionado ou apenas para que a folga dos atletas no fim de semana seja mais tranquila. Baker Mayfield soube esperar sua hora e aproveitou cada momento. Não que Tyrod não tenha demonstrado que poderia ser o titular da franquia, muito pelo contrário, mas a luta dele contra Mayfield é desleal. E se Hue Jackson tomar qualquer outra decisão que não a de dar a titularidade a Mayfield, ele será demitido.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

A nova estrela da liga

A nova estrela da liga

Brock oficial

Um pouco mais de dois quartos. Foi exatamente isso que Baker Mayfield precisou para um “comeback” de quatorze pontos que foi acompanhado efusivamente pelo mundo inteiro. O jogo “questionável” de quinta-feira entre duas equipes que ficaram entre as seis piores da NFL, passou de morna a espetacular pelo acaso. Não só pelo acaso, mas pelo talento de um jovem que foi a primeira escolha geral do Draft 2018.

Nos últimos anos criou-se a crença que o quarterback que chegasse ao Cleveland Browns se tornaria um bust. Vários jogadores passaram por lá sem nenhum protagonismo, afinal, a equipe era (e talvez ainda seja uma bagunça). Com Sashi Brown no comando do futebol da equipe, duas temporadas e apenas uma vitória, até que John Dorsey assumiu a equipe e não poupou para trazer grandes nomes.

Além disso, a equipe tinha a primeira escolha geral do Draft deste ano. Já havia conquistado o excelente Myles Garrett no ano passado, mas a escolha por quarterbacks foi algo difícil de ser aceito, pelo menos a princípio. Sam Darnold parecia tão melhor que os outros que Baker Mayfield, vencedor do Troféu Heisman já estava praticamente certo no New York Jets (terceira escolha geral). Contudo, faltando um dia para o Draft 2018 vazou a informação: “o Browns iriam escolher Mafield”.

e83_20brownsjg44

Mesmo assim, tamanha a certeza que Darnold era a melhor escolha, o próprio atleta foi com uma gravata laranja e marrom. O anúncio de que Baker era do time de Hue Jackson causou um frisson negativo na torcida que acompanhava a equipe. Chegaram os treinos, a pré-temporada e em nenhum momento ele foi anunciado como titular (ao contrário de Darnold). No entanto, no dia de ontem – coincidentemente contra o Jets do titular Sam Darnold – o acaso deu a Baker a chance de se provar para todos.

Foram 23 passes e destes 17 chegaram a mão de seus recebedores. Nenhum foi para touchdown, mas desde seu primeiro drive ele conseguiu fazer a equipe pontuar. Mesmo jogando metade do tempo que seu rival ele passou para mais jardas, totalizando 201. Para completar o jogo perfeito do ratintg de 100,1 pontos, uma virada histórica que tirou a equipe da fila após 653 dias.

No twitter ele virou trending topic mundial. Vários atletas e equipes vieram a público se manifestar sobre sua incrível atuação. Não foi simplesmente uma vitória, mas a consolidação de seu talento. Se seu antecessor havia acertado apenas 4 dos 14 passes para 19 jardas, com o mesmo time ele transformou o Browns em uma equipe vencedora após 19 jogos.

e35_jdk18554

Falta muito ainda para falarmos que Mayfield será um Hall da Fama, Pro Bowl ou qualquer outro adjetivo sensacionalista e mentiroso. Porém, o que podemos afirmar é que Baker Mayfield se tornou uma estrela, afinal, a partir de agora todos vão querer assistir um jogo dele, acompanhar seus números e se interessar por ele. Mayfield deu vida a uma franquia que estava morta e agora tudo faz crer que estaremos vivendo a “Bakermania”.

Para se ter uma ideia da força dele em Cleveland, assim que a equipe venceu o New York Jets os corretores de ingressos começaram a receber centenas de pedidos para o pacote da temporada, segundo relatou Mark Klang, da Amazing Tickets. A Fanatics, maior loja de camisas de jogo vendeu entre o intervalo e final da partida de ontem mais camisas que Khalil Mack e Tom Brady – recordistas – venderam em um dia inteiro. E para dar mais números ao “estrelismo” de Mayfield, a contabilidade até o meio dia de hoje era de 67 mil seguidores novos no Instagram. 

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br .

TEST3

 

 

 

 

Entre Jardas | Futebol Americano BR - 2014