Navegue pela Home do seu time
Os melhores quarterbacks de cada divisão

Os melhores quarterbacks de cada divisão

Traktor EJ (2)

Tem muita gente nova começando a acompanhar a NFL e é sempre bom ressaltar quem é o melhor quarterback de cada equipe. Hoje temos alguns titulares contestados, alguns times que ainda não definiram seus titulares e muitos que já tem seu quarterback estabelecido. E se compararmos os melhores de cada divisão? Fica mais interessante, não é mesmo?

Então vamos falar a respeito dos melhores quarterbacks das oito divisões da NFL. É claro que uma lista sempre gera discussão, então para algumas divisões daremos a “menção honrosa”  para quem estiver próximo do nível do escolhido. Vamos lá:

AFC Leste: Tom Brady.

Super Bowl LI - New England Patriots v Atlanta Falcons

Começamos pela divisão mais óbvia, uma vez que simplesmente não existe concorrência para ele. Brady venceu cinco vezes o Super Bowl, detém os maiores recordes dos playoffs e muitos o consideram o maior de todos os tempos. Além disso, as outras equipes da divisão praticamente inexistem quando o assunto são os quartebacks.

O New York Jets tem um veterano que não passa de mediano (Josh McCown), tem um jogador muito bom que está há dois anos sem jogar uma partida inteira – Teddy Bridgewater – e um calouro de muito potencial que nem titualar da equipe é ainda (Sam Darnold). O Buffalo Bills também está na mesma.

O mais experiente AJ McCarron acaba de sofre uma fratura na clavícula. Nathan Peterman, que na sua única atuação como titular na NFL jogou para cinco interceptações no ano passado disputa a titularidade com Josh Allen, também calouro e considerado “impreciso” nos passes. E para fechar temos Ryan Tannehill, que nunca conseguiu se provar como um bom quarterback da NFL. Enfim, Tom Brady sobra na turma.

AFC Oeste: Philip Rivers.

philip-rivers-e1510777194642

Aqui temos o primeiro impasse. Claro que não se cogita falar de Patrick Mahomes ou de Case Keenum. Mahomes ainda tem muito a provar e Keenum mesmo tendo feito uma boa temporada ano passado com o Minnesota Vikings, não é um quarterback de elite.

Derek Carr foi eleito Pro Bowl por três vezes e é um quarterback muito bom, sem sombras de dúvida. Mas Philip Rivers já foi eleito sete vezes para o Pro Bowl, inclusive nas duas últimas temporadas (se alguém quiser argumentar que ele está velho). Mas não é só isso que faz de Rivers o melhor quarterback da AFC Oeste. Rivers só não jogou para mais de 4 mil jardas em 3 das suas 12 temporadas como titular. Carr nunca lançou para 4 mil jardas na carreira.

Menção honrosa para Derek Carr, mas Philip Rivers ainda e o melhor quarterback da sua divisão.

AFC Norte: Ben Roethlisberger.

ben-roethlisberger-111617-usnews-getty-ftr_m8tejajc9c251wwi5dh1b1fc2

Joe Flacco já venceu um Super Bowl, Andy Dalton já levou sua equipe por quatro vezes aos playoffs (não venceu nenhuma partida), mas nenhum deles se compara a Big Ben. Nesta divisão nem menção honrosa temos, Ben Roethlisberger é unanimidade.

AFC Sul: Andrew Luck.

andrew-luck-102515-usnews-getty-ftr_ssoslm2vrwkq1dgrtw6bau5nv

Esta divisão é uma das mais difíceis de se analisar, afinal, todos os jogadores tem seus predicados. Blake Bortles seguramente não é o melhor, mas levou sua equipe a final da AFC. Deshaun Watson começou sua trajetória na NFL jogando muito, completando quase 2 mil jardas e 21 touchdowns em apenas 7 partidas. Porém precisamos ver ele atuando mais vezes.

Marcus Mariota fica com a menção honrosa da divisão, afinal é um dos atletas mais completos da liga. Passando não é um “campeão de jardas”, porém vem evoluindo muito e é o grande nome do Tennessee Titans. Mas não dá para comparar nenhum desses com Andrew Luck, mesmo após a cirurgia no ombro.

Agora que está tratado, Luck deve votar a liderar o Indianapolis Colts como fez nos quatro primeiros anos da carreira, quando levou a equipe aos playoffs em três deles. Com certeza é o melhor quarterback da AFC Sul.

NFC Leste: Carson Wentz.

Washington Redskins v Philadelphia Eagles

Em uma divisão que conta com Alex Smith, Eli Manning e Dak Pescott é difícil eleger Carson Wentz o melhor, porém o que ele fez em sua primeira temporada e principalmente na temporada passada foram algo de se encantar. Aqui qualquer um tem muitos méritos e poderia ser indicado como melhor.

Alex Smith é um playmaker dentro do pocket, com visão e categoria imbatíveis. Eli ganhou dois Super Bowls em cima de Tom Brady e Dak Prescott fez uma primeira temporada sensacional pelo Dallas Cowboys. Deixamos a menção honrosa para estes três elegendo Wentz o melhor.

NFC Oeste: Russell Wilson.

USP NFL: SEATTLE SEAHAWKS AT ARIZONA CARDINALS S FBN ARI SEA USA AZ

Na NFC Oeste já podemos eliminar o quarterback do Arizona Cardinals, Sam Bradford. Jared Goff também teve uma temporada de recuperação, mas está muito longe de Wilson. O mesmo pode-se falar de Jimmy Garoppolo, que deve ser o grande nome do San Francisco 49ers nesta temporada.

Russell Wilson não tem mais nada a provar. Lança muito bem, tendo a melhor porcentagem de acertos na red zone da liga e domina o esporte. Independente de ter ou não alvos já venceu partidas para o Seattle Seahawks de tudo quanto foi jeito, se destacando como o melhor quarterback da NFC Oeste.

NFC Norte: Aaron Rodgers.

BN-RQ530_GAY011_GR_20170116104513

Tirando Michell Trubisky, que ainda está “verde”, todos os outros quarterbacks da NFC Norte são muito bons. Matthew Stafford sofre no Detroit Lions e mesmo assim já levou a equipe a 3 playoffs e bateu o recorde de Dan Marino ao atingir 25 mil jardas em 90 jogos. Kirk Cousins também é um quarterback muito bom, demonstrando isso nos seus anos de Washington Redskins e sendo o grande nome da agência livre deste ano.

Mas nenhum se compara ao quarterback que tirou o emprego de Brett Favre. Aaron Rodgers é um futuro Hall da Fama e já venceu partidas para o Green Bay Packers de diversas maneiras, desde corridas de 50 jardas até Hail Mary histórica. É o melhor sem sombra de dúvidas.

NFC Sul: Drew Brees.

Atlanta Falcons v New Orleans Saints

Cam Newton já foi eleito o MVP da liga, Matt Ryan levou o Atlanta Falcons ao Super Bowl e Jameis Winston é bom, porém nenhum destes se compara a Drew Brees. Aqui praticamente não existe discussão, Brees é muito melhor que qualquer outro quarterback de sua divisão.

Esta foi a nossa lista dos melhores quarterbacks de cada divisão da NFL. Se vocês discordarem de algum, deixe nos comentários sua opinião que será um prazer interagirmos com vocês.

 

 

Elway: “Kaepernick perdeu a chance de estar no Broncos”

Elway: “Kaepernick perdeu a chance de estar no Broncos”

Traktor EJ (2)

Foi só o Vice-Presidente de Futebol do Denver Broncos declarar que pensa em contratar um quarterback veterano para a reserva de Case Keenum que já surgiu o nome de Colin Kaepernick como especulação. O nome do quarterback, que não joga desde que deixou o San Francisco 49ers surgiu na entrevista de John Elway na tarde de hoje (16).

Elway foi uma das testemunhas do caso de conluio de Kapernick contra NFL e no seu depoimento ele admitiu que tentou contratar Colin em 2016, em uma negociação com o Niners. O Broncos podia pagar U$ 7 milhões, mas Kaep tinha na época uma garantia de U$ 16 milhões para aquela temporada. A equipe de San Francisco não quis assumir a diferença, Colin não quis reduzir o valor de seu salário e o negócio acabou não se concretizando.

“Você sabe e eu disse isso há um tempo: Colin teve a chance de estar aqui. Nós lhe oferecemos um contrato. Ele não aceitou”, disse Elway, que chegou a receber Kaepernick em sua casa para tentar fechar o acordo. “Como eu disse no meu depoimento, ele teve a chance de estar aqui. A chance passou, ele perdeu a chance de estar no Broncos.”

NFL: Baltimore Ravens at San Francisco 49ers

Algumas semanas após não conseguir o acordo com Kaepernick, Elway e o Broncos foram ao Draft e escolheram Paxton Lynch. O resultado não foi nada bom, uma vez que o quarterback está prestes a ser dispensado pela equipe, como contamos aqui.

Porém o Broncos já recontratou um quarterback que o desprezou. Brock Osweiler, que largou a equipe quando era previsto que ele se tornasse titular para receber um salário multi milionário no Houston Texans, voltou após uma temporada. Claro que  a situação foi outra e Osweiler assinou pelo mínimo com a equipe, mas fica um pequeno fio de esperança nos fãs do Broncos que gostariam de Kaep na sua equipe.

 

Broncos pode dispensar Paxton Lynch

Broncos pode dispensar Paxton Lynch

Traktor EJ (2)

Parece que a pressa do Denver Broncos em substituir Peyton Manning e Brock Osweiler, escolhendo um quarterback na primeira rodada do Draft 2016 não deu certo. Depois da declaração que John Elway deu na tarde de hoje, a impressão que fica é que a 26° escolha geral do Draft daquele ano será cortado.

Paxton Lynch vem sofrendo para jogar na NFL desde seu primeiro ano. Na reserva de Trevor Siemian em 2016 e 2017, Lynch foi superado nos campos de treinamentos deste ano pelo “Mr. Irrelevant” Chad Kelly, que assumiu o posto de primeiro reserva do Broncos. Agora, com a declaração de John Elway que a equipe pode contratar um veterano para ser reserva de Case Keenum, Lynch tem grandes chances de ser cortado ou negociado.

O medo de Elway é perder Keenum e jogar fora a temporada. Em 2015 isso não aconteceu graças a Brock Osweiler, que venceu muitos jogos quando Manning estava com uma lesão no pé. Porém após 2016 o grande problema do Broncos foram os quarterbacks, mesmo com Siemian jogando bem algumas partidas faltou um atleta de ponta na equipe. Talvez a organização não esteja disposta a perder uma temporada por este motivo novamente. 

“Temos que ter confiança de que aquele cara que será o substituto de Keenum pode jogar e ganhar os jogos”, disse Elway. “E é por isso que ainda estamos nesse processo tentando ver se temos esse cara atrás do Case. O Chad (Kelly) jogou muito bem na noite de sábado, agora vamos ver como ele joga esta semana. E se este for o caso, será que ele pode entrar e ganhar jogos para nós? Este é o processo de avaliação que está acontecendo neste momento.”

AR-180619850

Reparem que John Elway nem menciona Paxton Lynch, que já é o número 3 da lista do Broncos. E caso a equipe traga um quarterback veterano para ser o reserva de Keenum, as chances de Paxton continuar no Colorado são minúsculas, uma vez que a equipe dificilmente manterá quatro quarterbacks entre os 52 escolhidos.

Agora Paxton, que estava desanimado em deixar de ser o reserva imediato de Keenum precisa torcer para que Chad Kelly vá bem, assim talvez equipe não traga mais um quarterback e ele continue no elenco. O treinador Vance Joseph falou a respeito da situação de Lynch:

“Ele está chateado. Ele não gostou de perder o lugar para Chad. Ele quer saber o porquê”, disse Joseph. Ele tem apenas que jogar melhor. É simples assim. É uma competição. É a liga. Todo mundo está fazendo isso. Ninguém está dispensado seus melhores jogadores, então ele tem que se tornar um dos melhores.”

Em duas temporadas na NFL, Paxton jogou 5 partidas (4 como titular) acertando  61,7% de seus passes para 792 jardas, 4 touchdowns e 4 interceptações.

Bosa sofre lesão e deixa treino

Bosa sofre lesão e deixa treino

Um dos melhores defensores da liga saiu de um treino 11 contra 11 com uma lesão no pé esquerdo. Estamos fando de Joey Bosa, que segundo o Los Angeles Times saiu mancando de campo, porém sem o auxílio de alguém para o carregar. Após ir ao vestiário, ficou recebendo tratamento médico durante o resto do treino na lateral do campo e iria ser encaminhado para exames mais aprofundados.

Escolha de primeira rodada do Draft 2017 (n° 3 geral), Bosa foi o grande destaque defensivo da equipe, somando 14 sacks na última temporada. Assim, mesmo não sendo nada grave até o momento a preocupação da equipe e dos fãs aumenta, exatamente por se tratar de um dos melhores pass-rushers da liga.

bosa

Bosa teve sua primeira temporada completa em 2017, sendo eleito para o Pro Bowl. Antes, em 2016 ele sofreu uma contusão na coxa e perdeu quatro partidas, somando 12 sacks ao fim da temporada.

Vale lembrar que o Los Angeles Chargers  já perdeu dois jogadores para esta temporada. O tight end Hunter Henry sofreu uma lesão no joelho e o cornerback Jason Verrett sofreu uma lesão no tendão de Aquiles.

Ela voltou! Bears e Ravens fazem Hall Of  Fame Game

Ela voltou! Bears e Ravens fazem Hall Of Fame Game

Após 181 dias sem NFL esta liga maravilhosa volta com o Hall Of Fame Game. Este ano teremos Chicago Bears e Baltimore Ravens, uma vez que um dos principais astros da festa é Ray Lewis, que receberá sua merecida jaqueta dourada.

Desde a vitória do Philadelphia Eagles no Super Bowl até a partida de hoje muita coisa mudou. No Ravens, por exemplo, a principal atração será a estreia de Lamar Jackson, escolha da equipe no Draft 2018 e que intriga muitos os analistas. De um lado a velocidade que lhe rendeu o Troféu Heisman, de outro a ineficácia na pontaria e a dificuldade de fazer as chamadas de jogada agora bem mais complicadas.

“Quero vê-lo comandar o show com confiança e acertar as chamadas, isso será o mais importante”, disse o técnico John Harbaugh. “Depois disso, que ele jogue seu futebol e vamos ver o que acontece.”

ravens18-rookiecamp-lamar-jackson-1

Não é novidade que muitos da imprensa, torcida e até dentro da equipe pretendem ver Jackson no lugar de Joe Flacco, que mesmo dando um Super Bowl à equipe não é unanimidade. Flacco serviria como um mentor para Lamar, que tem problemas tanto de mecânica de passe quanto de consistência.

“Ele fez alguns ajustes em algumas coisas, e eu quero ver isso acontecer em tempo de jogo”, disse o coordenador ofensivo Marty Mornhinweg. “Qualquer jogador em qualquer posição faz isso, e, com repetições em campo vão torna-lo mais consistente”.

Do outro lado o Bears poderá ver Brian Urlarcher receber a jaqueta dourada e entrar para o Hall da Fama. Jogador icônico e que marcou época na NFL, ele representa uma defesa que fez história na NFL, sendo eleito oito vezes para o Pro Bowl e sendo escolhido como o “Defensor do Ano” em 2005.

876285322.jpg.0

Dentro de campo a equipe espera pelas atuações de suas duas primeiras escolhas de primeira rodada, ambas na linha ofensiva. É interessante ver como o Chicago Bears está acreditando em uma reformulação baseada em Mitchell Trubisky, desde a linha ofensiva até a inversão de papel de Tarik Cohen, que pode virar uma espécie de “Tyreek Hill” na equipe. Kevin White também vem se destacando nos treinos, mas é provável que não entre em campo esta noite.

A partida acontece no Tom Benson Hall of Fame Stadium em Canton Ohio, a partir das 21 horas (horário de Brasília).

 

Mahomes chama a atenção pelo alto número de interceptações

Mahomes chama a atenção pelo alto número de interceptações

Se você é um torcedor do Kansas City Chiefs e estava acostumado com a segurança de Alex Smith, talvez você comece a “suar mais frio” quando seu time chamar uma jogada de passe.

Mesmo não sendo mais um calouro e jogando uma temporada com um quarterback que de 505 passes só foi interceptado 5 vezes, Patrick Mahomes está chamando a atenção pelas péssimas escolhas que vem fazendo nos treinos. Para se ter uma ideia foram 7 interceptações em seis dias, sendo 6 delas em duelo contra a defesa reserva da equipe.

Ontem por exemplo, Mahomes estava em um destes treinos e após o snap uma “avenida” abriu para que ele pudesse correr. Mahomes – intocável no treino – preferiu lançar em cima de um jogador marcado que simplesmente correr para a end zone. O resultado foi a interceptação por parte do reserva Leon McQuay.

“Foi um erro meu”, disse Mahomes. “Eu poderia facilmente ter corrido. Eu não queria ouvir a defesa falando besteira para mim por não poder me tocar (red shirt). Então eu joguei a bola. Você só tem que fazer o que é certo e não tentar forçar algo porque eles não podem tocar em você. É algo que eu tenho que aprender, espero que em um jogo eu corra ao invés de passar.”

r207288_1296x729_16-9

Assim que chegou a linha lateral Mahomes já tentou se desculpar, porém ouviu alguns comentários de seus treinadores como: “Faça o que é para ser feito, não treine maus hábitos”. Ele foi interceptado mais uma vez no mesmo treino, somando 6 interceptações em 3 treinos contra a defesa reserva.

“Ele teve alguns tropeços hoje”, disse o coordenador ofensivo Eric Bieniemy. “Mas isso faz parte do processo. Quando você é jovem, você precisa desses erros para aprender lições valiosas (…) nós gostaríamos que ele fosse perfeito? Sim. Nós gostaríamos que ele tivesse a mais alta classificação de quarterback? Sempre. Ele só precisa aprender a trabalhar sob pressão.”

Outro falha que chamou a atenção dos presentes foi quando ele errou a chamada da jogada e os seus recebedores correram rotas totalmente diferentes do esperado. O resultado foi mais uma interceptação.

“Eu tenho que eliminar esses erros”, justificou Mahomes. “É algo que pode ser descrito como um processo de aprendizagem. Espero que eu erre agora e não no jogo.”

Apesar dos erros repetidos nos treinos, seu coordenador ofensivo Eric Bieniemy disse acreditar no processo e em Mahomes, defendendo o quarterback de qualquer crítica durante a entrevista coletiva.

Derek Carr dá ultimato ao Raiders

Derek Carr dá ultimato ao Raiders

Ele foi um dos melhores quarterbacks da temporada, eleito para o Pro Bowl e ainda recebeu votos para MVP da temporada, porém não está feliz. Derek Carr, quarterback do Oakland Raiders demonstrou na tarde de ontem toda a sua frustração com o time após mais uma semana se passar e a equipe não lhe procurar para negociar a extensão de contrato. Carr deu prazo para a equipe: 28 de julho. Segundo ele, depois disso vão se encerrar as negociações e ele jogará com o contrato antigo, que se finda ao fim da temporada.

“Isso não é uma ameaça ou qualquer coisa desse tipo. Só estou dizendo que eu não vou lidar com nada que atrapalhe a minha concentração em ganhar”, disse Carr. “O dinheiro não é o que me impulsiona. O que me move é ter certeza de que estou dando tudo o que tenho para chegarmos a vitória. E não quero nada que distraia meu pensamento.”

Carr chegou na equipe no Draft 2014 e ganhou a posição no mesmo ano. Em uma crescente ano passado jogou para 3937 jardas, 28 touchdowns e apenas 6 interceptações, números ótimos. E caso não haja uma renovação de seu contrato antes do campo de treinamento o jogador irá receber apenas US$ 1,15 milhões, muito pouco para um quarterback de seu nível.

“Tenho muitas coisas para trabalhar e não quero distrair meus colegas de equipe”, disse Carr. Khalil (Mack) teve que responder a perguntas sobre minha situação no outro dia, e isso me deixa mal, porque não há motivo para ele ter que falar sobre isso.”

NFL: Preseason-Detroit Lions at Oakland Raiders

Porém Carr deixa claro que está focado no trabalho da equipe e quer continuar​ no Raiders pelo resto da carreira. A equipe teve uma grande temporada ano passado, só caindo de produção quando Carr sofreu uma fratura na fíbula na semana 16. Agora o atleta aguarda os movimentos da equipe para assinar o contrato que promete ser o maior da NFL, superando Andrew Luck. Mas se o movimento não acontecer até o fim de julho, o jogador pode se tornar um agente livre na próxima temporada.

Eu deixei muito claro que eu quero ser um Raider por toda a minha carreira”, disse CarrEu não quero jogar para outro time. Eles (Raiders) sabem disso. Eles me disseram o quanto eles me querem. Então, estou esperando.”

 

Projeto ambicioso

Projeto ambicioso

Uma declaração um tanto ambiciosa chamou a atenção pelas bandas do Colorado. E quem foi o responsável por elas foi um dos melhores defensores em atividade na NFL, Von Miller. O jogador que vem em uma crescente em seu futebol tem um plano ambicioso para o o futuro: ser reconhecido como o “Greatest of All Time”. Isso mesmo, em recente declaração o defensor do Denver Broncos disse que está trabalhando para ser reconhecido como o maior de todos os tempos, popularmente conhecido como G.O.A.T.

O engraçado desta declaração é que raramente um defensor da NFL é citado como o maior da história. Após o Super Bowl LI muitos argumentam que o cargo é de G.O.A.T. é de Tom Brady. Outros tantos que acompanham a NFL a mais tempo defendem que o maior de todos os tempos é Joe Montana. Mas Miller está focado e disse que cada vez que entra em campo é para chegar a este objetivo.

“Eu quero ser o melhor jogador, sem dúvida, eu quero ser considerado um G.O.A.T., como o cara que está lá em cima”, disse Von Miller, que continuou. “Eu não tenho nenhum controle sobre o que as pessoas dizem, o que as pessoas pensam. Mas eu quero ser o melhor jogador da NFL. É o que eu faço toda vez que jogo (…) Quando eu terminar, depois de jogar 17 anos ou algo assim, podemos revisitar isso e ver como serei considerado.”

A ousadia de Miller não é em vão. Considerado um dos melhores defensores da NFL no ano passado, o jogador vem de três temporadas seguidas com números sensacionais, além de ser eleito o MVP do Super Bowl 50, quando apareceu em lances fundamentais para dar o título ao Broncos.

Porém para um dia sonhar em ser considerado um dos maiores de todos os tempos, ou o maior como ele mesmo projeta, o desafio nesta temporada é grande. Agora ele terá que liderar um front seven mais jovem, e se manter a média de sacks de suas cinco temporadas em que atuou integralmente (Miller se lesionou em 2012), ele pode alcançar a marca de 80 sacks em sete anos, um número absurdo.

Von Miller foi a segunda escolha geral do Draft 2011 e em 88 jogos aplicou 338 tackles (233 solos), 74 sacks, 19 fumbles forçados e 5 fumbles recuperados. Com 28 anos ele conta com o maior salário de um defensor na história da liga, assinado em 2016, valendo US$ 114,5 milhões por 6 anos com US$ 70 milhões garantidos.

Onze calouros que vão mudar o destino do campeonato

Onze calouros que vão mudar o destino do campeonato

Não podemos negar que depois do Draft deste ano muita coisa na NFL vai mudar. Talvez não o campeão de cada conferência ou até os vencedores das divisões mais óbvias, mas temos alguns calouros que prometem dar um “up” em suas equipes e torná-las mais competitivas. Existem muitos bons valores que foram escolhidos no Draft 2017, mas para não ficar massante vamos falar de onze jogadores que terão papel “chave” na reconstrução de suas equipes e que podem mudar o rumo da divisão que vão atuar.

Alguns deles não são uma escolha de primeira rodada e devem ser olhados com muita atenção. Também existem equipes que fizeram um “combo” neste Draft para privilegiar sua primeira escolha e contam como fatores preponderantes para quem sabe acabar com alguma hegemonia ou derrubar um favorito. Então vamos lá:

AFC NORTE:

Myles Garrett  -  A primeira escolha geral é cotada para ser o “novo” Von Miller ou Julius Peppers, e pelo que foi visto nos primeiros treinos tem muita chance de ser mesmo. Garrett não vai  fazer o Browns vencer a divisão, mas com ele na defesa podem apostar que além da equipe não terminar 1-15 vai derrubar pelo menos duas equipes da AFC Norte em pelo menos uma das duas partidas. Não existe futebol americano sem uma defesa que pressione o quarterback e ele chega para fazer isso. Foi sem  dúvida a melhor escolha do Draft 2017.

Joe Mixon - Podem falar o que quiser dele, afinal, ele tem que ouvir de cabeça baixa e aceitar. Imperdoável o que ele fez no seu primeiro ano de College, mas se tivesse tido a oportunidade de participar do NFL Combine e sua escolha não causasse tanta repercussão negativa, arriscava ser escolhido antes de Leonard Fournette. O Cincinnati Bengals volta a ter um jogo terrestre e com os outros jogadores que vão compor o elenco tem muita chance de voltar aos playoffs. Notem que citamos Mixon mesmo com a equipe selecionado John Ross.

NFC NORTE:

Dalvin Cook (foto) - Três acusações criminais e três sentenças que lhe declararam inocente. Foi isso que fez Cook cair tanto no Draft 2017, seu passado. E o Vikings adorou, afinal, sem escolhas na primeira rodada conseguiu um jogador que promete ser o futuro da franquia no jogo terrestre. Talvez não seja um Adrian Peterson, mas foi escolhido por dois anos consecutivos para a “primeira equipe” da América, foi o MVP do Orange Bowl e ainda ganhou o Jim Brown Award.

Delano Hill, Dalvin Cook

O Vikings não teve um jogo terrestre ano passado, sobrecarregando Sam Bradford e sua linha, que acabou sofrendo muitas baixas. Agora, com ele somando forças com o veterano Latavius Murray a equipe de Minnesota muda totalmente o panorama da NFC Norte.

AFC SUL:

Leonard Fournette - Antes de falarmos do melhor running back do Draft 2017 ( no contexto geral), precisamos enaltecer a contratação de Tom Coughlin para comandar o futebol da equipe. Além de escolher um dos melhores jogadores do Draft, ele ainda conseguiu um dos melhores jogadores de linha ofensiva para bloqueios de corrida da classe, Cam Robinson. Mas voltando ao atleta que vai fazer diferença na divisão, Fournette era o sonho de qualquer equipe.

Na avaliação pré-draft ele conseguiu uma pontuação maior que Ezekiel Elliott e Adrian Peterson. Isso significa que se os três estivessem na mesma classe Fournette seria escolhido antes. Tem tudo para ser grande na NFL, mas só depende dele. Segundo Coughlin, o ataque vai ser construído em volta dele e deveremos ver – agora vai – o Jaguars disputando o título da divisão.

Corey Davis - Todos esperavam que o Titans escolhesse Jamaal Adams ou Marshon Lattimore, mas a equipe precisava de um recebedor para dar dinâmica a seu ataque. Quando Davis foi escolhido, o futuro Hall da Fama Steve Smith Jr, que comentava pela NFL Network disse: “A melhor escolha se você quer que alguém realmente pegue a bola, não corra rotas e espere o passe, mas que pegue a bola”. O bom ataque do Titans vai se tornar ótimo com ele e tem grandes chances de vencer a divisão.

NFC SUL:

Christian McCaffrey (foto) - Uma das melhores escolhas do Draft e que chegou no minicamp com uma atitude de profissional. Ele sabe que é muito veloz e bom nas rotas do jogo terrestre, mas mesmo assim treinou muito para ser uma opção recebendo a bola. E não estamos falando de passes curtos dos quais os running backs estão acostumados, mas de bolas em profundidade. Ele é muito rápido, inteligente e vai ser a grande opção de Cam Newton no ataque. Ele ajuda a colocar o Panthers como postulante da sua divisão.

OJ Howard - Uma das melhoras escolhas do Draft 2017 pela posição que saiu. Talvez por se poupar no Senior Bowl alguém tenha pensado que ele não é tudo o que falamos, mas Howard é um tight end pronto para brilhar. É um futuro Pro Bowl, principalmente jogando no esquema que consagrou Mike Evans. Com ele o Buccaneers fecha um dos melhores ataques da NFL e vai jogar para vencer a divisão.

101515-CFB-Christian-McCaffrey-LN-PI.vresize.1200.675.high_.61-1

AFC LESTE:

Jamaal Adams - Apesar de na nossa opinião esta divisão já estar decidida, temos que citar este atleta como a segunda melhor escolha do Draft. Não falamos pela posição que foi baixa devido seu talento (6° escolha geral), mas por ele ser um futuro Pro Bowl, Caiu em uma equipe que já declarou estar em reformulação e que não disputará nada este ano, mas deve ter números expressivos mesmo jogando no Jets.

NFC LESTE:

Derek Barnett - Finalmente o Eagles terá um jovem edge que vai fazer a diferença. Quando ele foi anunciado os fãs da equipe que lotavam as dependências do Draft foram a loucura, e não é para menos. Terá um impacto imediato na equipe e desde já ficamos imaginado ele lutando contra a linha ofensiva do Cowboys. Tem tudo para ser o “calouro defensivo do ano”, e sabe por que? Fácil, 33 sacks e 53 tackles para perda de jardas em três anos de SEC.

AFC OESTE:

Mike Williams - O melhor recebedor escolhido em na primeira rodada de um Draft desde Amari Cooper, quinta escolha geral de 2015. E coincidentemente eles irão se enfrentar este ano. Não foi nenhuma surpresa ele ser escolhido no “top 10″ e jogando com Philip Rivers vai mudar de maneira absurda o jogo do Chargers, A equipe agora de Los Angeles está seguindo o mesmo caminho do Oakland Raiders e vai dificultar muito a vida dos favoritos de sua divisão. Mike Williams, Tyrell Williams e Antonio Gates por cima, e Melvin Gordon por baixo vão fazer um grande estrago nas defesas adversárias.

NFC OESTE:

Reuben Foster (foto) - Muitos dirão: “Como assim o Foster e não o Thomas… Mas o tempo dirá aos fãs do San Francisco 49ers e aos fãs do esporte em geral se estamos certos ou não. Foster era uma escolha alta que caiu por três infortúnios praticamente no mês do Draft. Primeiro declarou a cirurgia no ombro, que na verdade não é nenhuma preocupação, afinal, ele ganhou o prêmio de melhor linebacker do país jogando “contundido”. Depois veio a confusão no Combine e ele saiu de lá sem poder apresentar os exames do ombro para as equipes, e por último, testou positivo por diluir substâncias no organismo antes do teste de substâncias da liga.

NCAA Football: CFP National Championship-Alabama vs Clemson

O Niners fez um grande movimento ao subir da segunda rodada para a primeira e pega-lo na 31° escolha. Se as equipes tivessem um dia de tempo – primeiro para segundo dia de Draft – para pensar em escolher Foster teria gente dando a “alma” pela 33° escolha geral. Foster vai ser o grande nome da defesa do Niners este ano, mesmo com Solomon Thomas na equipe.

Estas são nossas apostas para “mudar” o panorama das divisões este ano. No total doze jogadores dos 253 escolhidos, e que se confirmarem as expectativas vão fazer a NFL muito mais emocionante. Busts? É provável que tenha algum. Lesionados? Sempre acontece. Mas se nada de “anormal” acontecer veremos estes jovens fazendo a diferença, e quem sabe um deles estará no Super Bowl LII, não é mesmo?

 

O pedido de desculpas de Manning

O pedido de desculpas de Manning

Muitos tiveram o prazer de ver Peyton Manning jogando. Alguns começaram a assisti-lo em seus últimos anos em Denver, outros o viram em sua melhor época de Indianapolis Colts, e agora, completando um ano que ele anunciou sua aposentadoria grandes histórias começa a surgir. Já contamos como ele revelou o real significado do famoso “omaha”, e esta história que contamos agora é ainda melhor, afinal, foi contada em entrevista para a ESPN Americana por uma lenda-viva da arbitragem da NFL, ninguém menos que Butch Hannah.

E a história se passou nos últimos anos de Peyton na liga, exatamente na temporada 2014-2015, em uma partida do Denver Broncos contra o Miami Dolphins. A equipe do Colorado teve dificuldades naquele dia, mas venceu, e talvez toda essa dificuldade tenha foito o futuro Hall da Fama perder a cabeça.

“O Broncos estava enfrentando o Dolphins em Denver e o jogo estava difícil para eles”, contou Butch Hannah“No final do jogo, com o relógio prestes a esgotar-se, Peyton se perdeu um pouco e eles tiveram que correr mais uma jogada. Peyton disse algo bem grosseiro para mim, que ele não estava acostumado a dizer. Eu disse a ele, Peyton, você é melhor do que isso!”

Mas a história não acaba por aí, e depois de algumas semanas ele foi surpreendido por uma carta de Manning que havia sido enviada originalmente para o escritório da liga, e nela um surpreendente pedido de desculpas.

Peyton Manning, C.J. Anderson

“Ele disse que queria pedir desculpas por sua reação contra minha pessoa naquele dia contra os Dolphins, disse Hannah “Será que eu aceito suas desculpas? Essa é a única vez que me aconteceu isso em todos os meus anos de árbitro.”

Peyton foi um grande astro da NFL e a admiração de seus fãs não vieram só de suas partidas espetaculares dentro de campo, ele sempre foi um grande desportista. E o deslize dele contra um outro possível futuro Hall da Fama ficou marcado em sua carreira, não pelos fãs e imprensa que desconheciam a história, mas por sua consciência, e quem pensa que suas desculpas acabaram na carta está enganado, pois em um jogo de pré-temporada Hannah foi surpreendido novamente.

“Eu estava me preparando para o início do jogo e chega uma mão por trás de meus ombros, e quando olho é Peyton, continua HannahEle me pergunta: ‘Você recebeu meu cartão?’ Eu disse, ‘Peyton, você tem que deixar isso ir.’ Ele diz: “Você não tem ideia de como eu estava triste comigo mesmo’. Foi incrível,  esse é o tipo de filho que Archie e Olivia criaram.”

Buch Hannah conhece Peyton desde a época do College, e também conhece seu pai, grande estrela de Tennessee. E em seus últimos dias como árbitro conta que este foi um dos momentos mais marantes de sua carreira de 30 anos como árbitro. Agora está se aposentando e comemora poder passar suas férias sem ter que estudar atualizações das regras da NFL e do College, mas o que fica é a admiração e os momentos que ele leva da NFL, como este, que envolve o mito Peyton Manning.

A vida do maior “bust” da história após sair da prisão

A vida do maior “bust” da história após sair da prisão

Imagine você ser um atleta de ponta, estar saindo do College para o Draft da NFL e ser considerado o melhor quarterback da classe junto com Peyton Manning. Ir bem nos exames e treinos do Combine e chegar à NFL como segunda escolha geral. É fantástico não é mesmo, parece que seus sonhos vão se realizar e você será uma grande estrela da liga. Pois não foi assim que a vida se apresentou para Ryan Leaf, segunda escolha geral do Draft 1998 e que depois de três anos com o San Diego Chargers e uma passagem rápida pelo Dallas Cowboys acabou na cadeia.

Isso mesmo, além de ser considerado o maior “bust” da história o quarterback acabou preso por arrombar um estabelecimento e roubar medicamentos nos quais era viciado. Foi preso e depois de 26 meses na prisão tenta dar a volta por cima mais uma vez. Depois de fracassar na NFL, o quarterback buscou nos analgésicos a paz, e claro, ficou viciado. Muitos garantem que Leaf já usava quando atuava na liga, inclusive foi indicado em um exame de abuso de substâncias. Quando assinou com o San Diego Chargers recebeu cerca de US$ 23 milhões garantidos e em três anos jogou apenas 18 partidas, perdendo 14.

A equipe ficou marcada com isso e o dispensou após seu terceiro ano. A impressão que todos tinham é que ele não se comprometia e que algumas de suas lesões em parte não eram reais. Ainda teve mais uma chance no Cowboys, mas perdeu as três partidas que disputou, fechando um recorde de 4 vitórias e 17 derrotas. Foi do céu ao inferno em três anos, mas isso não justifica o vício.

GTY 521892 S FBN SPO USA GA

 

Pois bem, buscando a droga em 2013, cometeu o crime de roubo agravado pela posse de drogas, e se declarando culpado pegou 26 meses de prisão. Segundo o atleta ali foi o fundo do poço, mas quando conheceu seu colega de cela, um ex-militar que havia lutado nas guerras do Iraque e Afeganistão tudo mudou. Seu colega cumpria prisão por um crime de trânsito com vítima fatal. O prisioneiro o convidou para junto com ele ir a biblioteca da cadeia, onde poderiam ajudar os outros presos que não sabiam ou tinham dificuldades para ler. Ali foi a grande virada na vida de Leaf.

Foi a primeira vez na minha vida que eu pensei nos outros e não em mim”, disse Leaf. “Naquele momento, eu não sabia que era uma grande transformação. Eu estava apenas provavelmente chateado e lamentando como eu estava tão abaixo do que era. Mas você continua fazendo algo e se desenvolve em um hábito, como qualquer coisa. E, finalmente, algumas semanas mais tarde você consegue o progresso. Você está tentando fazer melhor todos os dias, e isso mudou para mim. Eu sabia que quando saísse da prisão precisava construir uma fundação que fosse baseada no serviço de ajudar os outros.”

E foi assim que Leaf reencontrou a felicidade. Agora viaja o país falando com atletas e com dependentes químicos. Ele passou por muita coisa e agora sóbrio, está tentando fazer com que outros não sigam o mesmo caminho. É difícil segundo ele, mas recompensador. Segundo Leaf as mensagens são diferentes quando fala com atletas e viciados, mas todas com o cunho positivo. Seu colega de cela ainda está preso, mas ele não passa uma semana sem falar com o ex-companheiro de cela, afinal, foi o grande mentor para sua nova vida.

LEAF

“Quando eu estou falando com atletas profissionais em potencial, eu realmente gosto de falar sobre o fato de que apesar de você ser um grande atleta, isso não faz de você uma boa pessoa”, disse Leaf. “E se você pode construir essa fundação primeiro, todo o resto geralmente segue o exemplo.

E continua:

“Quando se trata do viciado cotidiano, alcoólatra ou sofredor de saúde mental, eu simplesmente digo que é normal pedir ajuda. É provavelmente a coisa mais forte que você pode fazer. Ser vulnerável não é uma fraqueza. E uma vez que você pede ajuda, você tem que estar disposto a aceita-la. Então, esses são os maiores componentes que eu tento bater quando falo com alguém que está lutando e quer o mesmo tipo de coisa que tenho agora.”

Mesmo não tendo sucesso na NFL, o agora palestrante mostra que encontrou o verdadeiro caminho da felicidade. Casado, espera pelo nascimento de seu primeiro filho, que será batizado de MacGyver Fitzgerald, segundo ele escolha da esposa. E sobre o Chargers e a NFL, ficam apenas os sentimentos bons, traduzidos no capacete que decora sua mesa. Para Leaf aquilo que um dia foi a grande causa de sua dor, agora só lhe traz “bons sentimentos”.

Quem são os favoritos de cada conferência

Quem são os favoritos de cada conferência

Se a NFL fosse começar exatamente hoje, quem seria o favorito? Patriots, Cowboys, Packers? É difícil dizer, uma vez que teremos muitas variáveis do que temos no papel para como os novos nomes impactarão em campo. Porém, já dá para termos uma ideia de quem é a grande força da competição, e principalmente “as” grandes forças da competição. Pois mesmo com o atual campeão tendo uma offseason muito boa, tem equipes que podem atrapalhar seu “reinado”, inclusive dentro de sua conferência.

Começaremos falando da Conferência Americana, que conta com o New England Patriots, campeão e absoluto na AFC ano passado. Teve a melhor campanha mesmo perdendo seu quarterback titular por quatro jogos. Venceu 14 partidas e nos playoffs demonstrou o melhor jogo, exceto no Super Bowl, que depois de ser dominado em pelo menos dois quartos e meio, fez uma das maiores viradas da história do esporte.

Pois bem, começou a temporada um dia após a festa do título, quando seu técnico anunciou que o trabalho já começava a ser feito, visando o sexto título. Uma semana depois surgiu a notícia que a equipe patenteou o slogan “Blitz for Six”, e quando começaram os movimentos da agência livre o Patriots começou a provar que realmente ia atrás do sexto título.

Uma série de trocas que trouxeram nomes importantes, o maior deles Brandin Cooks, excelente recebedor do New Orleans Saints e que foi trocado por uma escolha de primeira rodada. Movimento arrojado e junto com Dwayne Allen uma das principais trocas da equipe este ano. Vejam que depois de perder Martellus Bennett foi atrás de um outro tight end “elite”, claro que inferior a Rob Gronkowki e outros nomes que temos na NFL, mas um ótimo jogador para ser o apoio de Gronk.

Ainda na agência livre a equipe trouxe dois nomes de destaque, e ambos do Buffalo Bills. Um que foi bem caro, mas chega para ser um franchise da equipe. Estamos falando de Stephon Gilmore, que ganhou um ótimo contrato por ser jovem é muito promissor. Foi a grande aposta de Bill Belichick, que comanda o futebol da equipe e saiu a comodidade com este movimento. Pagou uma tender de US$ 3 milhões de salário e uma escolha de quinta rodada para ter Mike Gillislee correndo junto com James White e principalmente Dion Lewis.

Tampa Bay Buccaneers v Pittsburgh Steelers

Mas o maior movimento do Patriots na agência livre foi manter seu melhor cornerback. O movimento que a equipe fez para manter Malcolm Butler foi sensacional. Uma qualifying offer colocada com um valor baixo de salário – US$ 3,91 milhões – e uma escolha de primeira rodada. Foi isso que Bilichick pediu para ceder seu maior achado à frente do Patriots. Ninguém pagou e ele fica na equipe como agente livre por U$ 4 milhões anuais. Ainda renovou com Dont’a Hightower, um dos heróis do Super Bowl LI.

No Draft não teve grande destaque, apostando em promessas. Mas perdendo poucos jogadores e se reforçando como fez é inegavelmente o grande favorito da AFC.

Temos outras equipes que podem surpreender. O Pittsburgh Steelers vai poder contar com Martavis Bryant, e o ataque da equipe fica muito forte. Teremos uma linha com Big Ben, Antônio Brown, Le’Veon Bell, Martavis Bryant e Jesse James alinhados juntos. É um baita ataque.

Também teremos uma estreia na equipe que vai chamar muito a atenção. O Steelers apostou em pedigree no Draft e trouxe um linebacker chamado TJ Watt. O sobrenome é igual ao do maior defensor da liga porque eles são irmãos, e o talento e principalmente o físico são muito parecidos. Vai chamar muito a atenção quando ele estrear.

O Oakland Raiders vem com uma ótima equipe que sofreu nos playoffs por perder Derek Carr com uma fratura na fíbula. Agora, com Carr de volta e uma defesa muito forte e ainda forçada no Draft 2017, a grande espectativa gira em torno de como Marshawn Lynch, que largou a aposentadoria para liderar o ataque terrestre da equipe vai se portar.

a1

Chiefs e Dolphins apostaram na mesma equipe que chegou aos playoffs e manteram o maior número de jogadores possíveis do elenco de 2016. Já o Houston Texans não tem ainda um quarterback franchise e deve manter o mesmo nível do ano passado, porém talvez a performance do ano passado já não lhe garanta este ano o título de sua conferência e consequentemente a vaga na pós-temporada.

Então respondendo, se tivéssemos o campeonato começando hoje, o título da AFC provavelmente ficaria com Patriots, Steelers ou Raiders. Mas como ainda é uma análise de pré-temporada, podemos estar totalmente errados.

 

O que esperar do Broncos?

O que esperar do Broncos?

De campeão do Super Bowl a eliminado da pós-temporada, esta é a situação em que Vance Joseph assumiu o Denver Broncos nesta temporada. A equipe campeã em 2015 não mudou tanto quanto o decréscimo de resultados, mas perdeu Peyton Manning e até agora não tem um quarterback que possamos afirmar ser o titular da equipe.

O mais incrível nisso tudo é que a equipe não foi mal no ano passado, claro que também não foi tão bem, afinal, ficou de fora dos playoffs. Mas o que deixou os fãs da equipe otimistas foi a declaração de seu novo treinador, que acredita que a equipe não está “quebrada”.

“Olhando para essa equipe, olhando para cada jogo, eu não acredito que a equipe esteja mal “, disse Joseph. “Há coisas que podemos e devemos fazer melhor, lugares em que precisamos melhorar. Mas essa equipe venceu nove jogos na temporada passada. Eu entendo as expectativas aqui, e sei que devemos melhorar. É por isso eu acredito que seja um ótimo trabalho, e é por isso que eu estou confiante e ansioso para trabalhar.”

A equipe conta ainda com um dos – senão o – melhores defensores da liga, Von Miller. Também conta com uma secundária muito boa capitaneada por Chris Harris, porém é no ataque que a equipe precisa melhorar. Primeiro a linha ofensiva, que terá algumas adições importantes vindas da agência livre e do Draft, mas definir quem é o quarterback titular é o principal ponto da equipe.

NFL: Denver Broncos at Tennessee Titans

Trevor Siemian (foto capa) e Paxton Lynch lutam pela titularidade, que segundo Joseph será definida nos treinamentos. Depois de definida está situação, será a hora de Joseph acertar seu ataque terrestre, que ano passado perdeu seu melhor jogador por lesão. Agora, CJ Anderson está de Brasil, e com ele um reforço muito intrigante: Jamaal Charles.

Assim o Denver Broncos começa os trabalhos para mais uma temporada. É certo afirmar que a equipe tem chance de chegar aos playoffs, mas devido a evolução do Oakland Raiders e principalmente do Kansas City Chiefs, terá uma das temporadas mais complicadas dos últimos anos.

 

Steelers dispensa tight end após assinar contrato de US$ 20 milhões

Steelers dispensa tight end após assinar contrato de US$ 20 milhões

O Pittsburgh Steelers surpreendeu a todos com o anúncio da dispensa de seu principal tight end. O mais incrível no anúncio foi que a equipe assinou com ele um contrato de quatro anos pagando US$ 20 milhões, sendo US$ 6 milhões garantidos. estamos falando de Ladarius Green, que chegou a equipe como esperança para aumentar os alvos de Ben Roethlisberger e depois de atuar por apenas dois jogos como titular na temporada passada sai dando “prejuízo” para a equipe.

E o motivo do corte de Green foi exatamente este, as contusões. O atleta chegou para substituir o veterano Heath Miller, mas desde a pré-temporada sofreu com lesões, estando disponível por apenas seis jogos. Seus problemas variaram de pancadas, entorse e concussões, problema este último que o deixou marcado desde a época de Chargers

Mas o que mais pesou para equipe – além do investimento – foi o jogador ter sofrido uma cirurgia o tornozelo no mês de março, que o deixará fora dos exercícios da equipe até julho. Como seu substituto na temporada passada, Jesse James foi sólido, a equipe preferiu manter o jovem que começou 15 partidas na temporada passada e “se livrar” de Green e seus US$ 14 milhões que ainda teria para receber.

a1

Nas seis partidas – duas como titular – que Ladarius Green atuou na equipe ele recebeu apenas 18 passes para 304 jardas e 1 touchdown. Na carreira seus números também não são tão sólidos, e jogando 53 partidas – 28 como titular – em cinco temporadas alcançou 1391 jardas e 8 touchdowns em 95 recepções. Green foi uma escolha de quarta rodada do San Diego Chargers no Draft 2012 (110° escolha geral).

Chuvas podem alterar “casa” do Super Bowl LV

Chuvas podem alterar “casa” do Super Bowl LV

Parece que teremos uma alteração no estádio que sediará o Super Bowl LV. Segundo o Los Angeles Rams e o Los Angeles Chargers, o estádio que está sendo construído em Inglewood, Califórnia e que estava programado para ser inaugurado em 2019 vai sofrer um atraso de um ano em suas obras devido as fortes chuvas que castigaram o local no último inverno.

Segundo o anúncio das equipes as obras sofreram grande prejuízo de tempo devido as chuvas que coincidiram com o período de escavação em massa da construção. Assim os desenvolvedores perderam tempo precioso para fazer os alicerces da construção parte vital para que a obra cumprisse o cronograma. O estádio é financiado pelo dono do RamsStan Kroenke e vai custar US$ 2,6 bilhões.

Assim as duas equipes terão que adiar sua ida para a nova casa, antes prevista para 2019, e ficarão a princípio mais uma temporada nos estádios que já utilizam (Memorial ColiseumStubHub Center). Mas o que impacta mais é que o novo estádio havia sido previamente anunciado como casa do Super Bowl LV, o que pode ter que ser alterado. Tudo por uma regra da liga que impede que um estádio receba a principal partida da temporada em sua temporada de estreia.

a1

Porém a NFL informou que a alteração ainda não está confirmada e esta norma pode ser “quebrada”, realizando a partida no estádio, caso as obras cumpram o cronograma a partir de agora. Um precedente em relação a regra já havia sido aberto em relação a uma sede de Super Bowl na temporada 2014-2015, quando o MetLife Stadium recebeu a partida. O estádio quebra a regra relativa a temperatura mínima estipulada pela liga, mas o comissário Roger Goodell permitiu que o Super Bowl XLVIII acontecesse lá.

O novo estádio, atualmente chamado Los Angeles Stadium, terá capacidade de 70 mil lugares e incluirá um ginásio adjacente com capacidade para  6 mil pessoas para receber shows, peças e eventos, além de um hotel, espaço para escritórios, um shopping e moradias. O local faz parte do projeto da cidade para sediar os Jogos Olímpicos de 2024.

 

 

Smith: “Estão comprometidos comigo apenas por um ano”

Smith: “Estão comprometidos comigo apenas por um ano”

Finalmente o quarterback do Kansas City Chiefs falou com a imprensa após a equipe ter selecionado Patrick Mahomes (foto abaixo), e como adiantamos aqui, o quarterback sabe que foi um dos “grandes perdedores” do Draft 2017. Em uma entrevista sincera o quarterback disse ver um pouco de semelhança com sua saída do San Francisco 49ers, quando perdeu a vaga de titular da equipe para Colin Kaepernick.

Alex Smith tem ainda mais dois anos de contrato com o Chiefs, porém em sua primeira entrevista falando sobre o assunto acredita que sua presença na equipe está ameaçada e que na próxima temporada será difícil continuar na equipe. Ele acredita que depende muito dele e de como irá jogar este ano, sabe da concorrência, mas acredita que está a cada dia melhor.

“Acho que o Chiefs está comprometido comigo somente durante este ano”, disse Smith. “Isto são apenas negócios. Se você não vai lá fora e executa o esperado, quero dizer, o treinador (Andy) Reid é muito honesto, você perde o emprego. Você tem que ir lá fora e fazer o seu trabalho. Se eu não for bom o suficiente e não conseguir fazer isso,  não vou ficar por muito tempo, isso é apenas a nossa cultura. Essa é a natureza da posição.”

a1

Quando Alex Smith viu Colin Kaepernick ser escolhido pelo Niners na segunda rodada do Draft 2011, ele não esperava perder a posição tão rápido, porém agora ele já está mais “cascudo” referente como as coisas acontecem na NFL, e consegue ver semelhanças e diferenças em ambos os casos.

“Há um pouco de semelhança”, disse Smith.”Sou um quarterback mais velho e eles recrutaram um garoto que está chegando e estão procurando desenvolve-lo. Eu já passei por isso. Estou em um lugar diferente da última vez que eu lidei com algo assim. Se qualquer um de nós fosse o gerente geral também ficaria louco para acumular talento. Então eu entendo, estou indo para a 13° temporada. Entendo, mas não mudo o foco. Eu ainda sinto que tenho muitos anos e sinceramente, estou ficando cada vez melhor.”

Por fim, Smith disse que as situações são diferentes, na época de Niners ele não tinha muito tempo na equipe e os treinadores tinham outro perfil (segundo ele). Agora, com cinco anos no Chiefs, ele sabe que só depende de sua atuação em campo para cumprir seu contrato de dois anos com a equipe ou ser cortado no próximo ano. Independente da situação, a partir de hoje o nome de Alex Smith começa a ser ventilado para a agência livre do do ano que vem.

a1

De certa forma é muito diferente , eles me trouxeram e eu estive aqui quatro anos. Estou no meu quinto ano agora. Lá era diferente. Esta é uma equipe de treinadores completamente diferente e uma equipe completamente diferente”, disse Smith. “Eu acho que sou um jogador muito diferente do que era há cinco anos.”

 

 

Frustrado

Frustrado

Um dos melhores quarterbacks da última temporada e o grande destaque de sua equipe está frustrado. O motivo, não ser procurado pela equipe para tratar da renovação. Estamos falando de Derek Carr, grande destaque ofensivo do Oakland Raiders na temporada passada e que entra em seu último ano de contrato de calouro nesta temporada.

O maior motivo – por mais que seu agente negue – da frustração de Carr é a demora para que a oferta final da equipe pela extensão de seu contrato seja feita. O atleta quer assinar a renovação antes do início de julho, quando os pagamentos são lançados no salary cap da equipe, afinal, ele ainda – caso não assine a extensão – vai receber o salário de calouro, pouco menos de um milhão de dólares.

Na reunião anual dos proprietários, em março, o gerente geral da equipe Reggie McKenzie, disse que a equipe estava em em negociações avançadas com o quarterback e seu agente, o que realmente acontecia. Na época seu agente, Tim Younger, também confirmou que estavam sendo acordadas as condições do novo contrato, e que a equipe teria prometido o parecer final loo após o Draft

Segundo fontes, o acordo seria de no minimo seis anos e os valores anuais superariam os de Andrew Luck, do Indianapolis Colts, colocando-o no topo da lista dos salários da NFL. Na época, Carr disse entender o “momento” da equipe e demonstrou paciência ao esperar que a equipe resolvesse os problemas de realocação para Las Vegas, a contratação de Marshawn Lynch e principalmente o Draft. Agora, duas semana após o evento de seleção de projetos, o agente do atleta declarou em uma nota que “nada de novo aconteceu em relação a negociação”.

a1

Ainda existe um outro fato relevante que pode deixar Derek Carr mais desapontado. Segundo fontes da NFL Network a equipe está em negociações avançadas com o center Gabe Jackson, e se a extensão do jogador de linha ofensiva for anunciada antes que a dele o jogador pode ficar anda mais frustrado com o front office da equipe.

Carr acredita que ele deve ser a prioridade da equipe, uma vez que em sua terceira temporada com a equipe atingiu quase 4 mil jardas, 64% de aproveitamento dos passes e 28 touchdowns, sofrendo apenas 6 interceptações. Foi eleito para o Pro Bowl e ainda levou a equipe aos playoffs depois de 13 temporadas. Outro fator que mostra a importância dele na equipe foi a partida da última semana da temporada regular, quando ele não atuou defino a fratura na fíbula. Sem ele, o ataque californiano atingiu apenas 161 jardas, sendo em seguida eliminado na rodada de wild card dos playoffs pelo Houston Texans.

As chances de Jamaal e Peterson prosperarem este ano

As chances de Jamaal e Peterson prosperarem este ano

Dois running backs que em um futuro próximo estarão no Hall da Fama da NFL tem uma missão muito difícil nesta temporada: mostrar que ainda podem jogar em alto nível. E  missão fica ainda mais difícil por tudo o que eles já fizeram na liga durante o tempo que estão jogando, e após lesões que os tiraram da temporada passada tem em outras franquias a chance – quem sabe a última – de brilhar na NFL.

Adrian Peterson é ainda um dos grandes da NFL. Mesmo perdendo a temporada passada com uma lesão e tendo 32 anos ainda é tido em alta conta. Não é a toa que ele chegou com status de grande reforço no ataque do New Orleans Saints, e mesmo dividindo o trabalho com Mark Ingram a expectativa é de que ele alcance pelo menos 800 jardas nesta temporada.

É pouco para o MVP da temporada 2012, que chegou a correr para 296 jardas em um único jogo. Mas depois de sua última lesão e do corte do Minnesota Vikings até a aposentadoria de Peterson foi especulada, e se ele não houvesse assinado um contrato antes do Draft 2017 poderíamos estar falando do “desemprego” dele.

As chances de Peterson (foto) prosperar com o ataque do Saints são juto boas, desde que ele ainda demonstre o poder de ganhar jardas após a chegada da marcação. Em seus dez anos de NFL ele foi incrível correndo com a bola e quebrando tackles, mas parece que esta será a função de Mark Ingram. Assim Peterson estará em campo para jogadas de redzone e conversões mais curtas, no qual ele é bom não só correndo, mas também recebendo passes curtos.

a2

O Saints arrumou sua linha ofensiva, e após do Draft ela ficará um pouco mais jovem, podendo assim reagir as boas defesas de sua divisão, principalmente a do Falcons e a do Panthers, que promete muito nesta temporada. Se as rotas forem bem protegidas teremos sim a volta por cima de um dos maores ícones da NFL esta década, e por que não a chance de vê-lo novamente os playoffs.

Já o caminho de Jamaal Charles é um pouco mais complicado e não será fácil para ele voltar as manchetes no Denver Broncos. Ao contrário de Peterson ele foi dispensado pelo Chiefs por não conseguir desempenhar seu papel por duas temporadas, e não para livrar espaço no teto salarial. Jamaal sofreu graves lesões nos dois joelhos na sua carreira, e depois de se recuperar da primeira cirurgia – em 2011 – e ter um desempenho incrível nas temporadas seguintes, não teve a mesma felicidade no ano passado.

O corpo médico do Broncos fez todas as avaliações nos dois joelhos de Jamaal, uma vez que ele passou por artroscopia em ambos no ano passado. Segundo a equipe ele está bem, e o melhor, com vontade de voltar a ser grande. Mas sabes que só vontade na NFL não basta (vide Arian Foster ano passado), e se ele não tiver muitas oportunidades na equipe pode desanimar.

NFL: Chicago Bears at Kansas City Chiefs

Os treinos em conjunto serão o grande parâmetro para a comissão técnica saber como usar Jamaal, afinal, terá seu principal corredor voltando de uma cirurgia (CJ Anderson), e muito da performance dos dois fará com que Vance Joseph estipule como utilizará os jogadores. A linha ofensiva da equipe também foi reforçada, e como o Broncos não deve ter um grande ataque aéreo este ano, as chances de Jamaal estar em campo são grandes. Porém o sucesso depende única e exclusivamente de seus joelhos.

Dois jogadores que marcaram época na NFL, foram ao Pro Bowl por diversas vezes e considerados os melhores da liga e agora passando da casa dos trinta anos buscam dar a volta por cima na liga. Não será fácil, mas ainda é possível, e se tratando de Jamaal Charles e Adrian Peterson nada é impossível.

 

 

Entre Jardas | Futebol Americano BR - 2014