Navegue pela Home do seu time
Na estrada

Na estrada

Como já diria o Cidade Negra “Você não sabe o quanto caminhei pra chegar até aqui“. É um pouco de como esse Sunday Night Football chegou na minha vida!!

Comecei a acompanhar o futebol americano em 2009, me lembro que foi em um domingo qualquer, já farto das mesmices do nosso futebol, decidi zapear pela TV e achei o Ivan Zimmerman narrando um jogo entre o Oakland Raiders e um time que não me lembro (me perdoem a falta de memória). Num primeiro momento os gritos de “Calipso”, “Fogo na bomba” e o “Touch me baby” foi o que mais me chamaram a atenção, mas pude perceber em um ou dois finais de semana que naquele jogo havia muito do que eu prezava nos esportes: o mentalismo do jogo, estratégia, imprevisibilidade e a possibilidade de envolver atletas de vários biotipos, não teve jeito, me encantei.

Nessa fase, narradores como o já citado Ivan, o Silvio Santos Jr., Paulo Mancha, Romulo Mendonça, Everaldo Marques e Paulo Antunes (esses dois últimos com maior relevância) fizeram o que  fazem até hoje com maestria: cativam e explicam o jogo para todo e qualquer fã que esteja começando!! Aí os fumbles, safeties, neutral zone infractions, illegal shifts foram fazendo mais sentido a cada dia.

Naquele mesma temporada só que em 2010 assisti meu primeiro Super Bowl e por um motivo que não consigo até hoje explicar (pois até ali não tinha escolhido um time para torcer), torci para os New Orleans Saints contra o Indianapolis Colts. Como foi bacana (na época) ver aquele on side kick na volta do intervalo e a interceptação do Tracy Porter no passe do Peyton Manning (que o Everaldo eternizou como “um retorno para a história”) que decidiu o jogo para os Saints!!!

Pouco tempo depois comprei o Madden 11 e por ter assistido alguns jogos dos Colts, pesquisado algumas coisas e ouvir todos os elogios rasgados que todos que conheciam o esporte faziam ao quarterback de Indianapolis, me decidi e escolhi o Indianapolis Colts de Peyton Manning para jogar e torcer. Confesso que o fato de que o time tinha um rating quase perfeito no jogo ajudou um pouco! Também o fato de que jogando com o Manning você não precisa jogar contra ele, e isso é chato, ô bicho que faz audible.

Vi então a temporada de 2010, a eliminação para o New York Jets (por isso meu ódio contido ao Jim Caldwell), e “nas noites escuras de frio chorei” quando em 2011 as 4 cirurgias tiraram o #18 da temporada e tive que ver Curtis Painter e companhia defender os Colts!!!

Veio 2012 e com ele a transferência de Manning para os Broncos, naquele momento percebi algo que me incomodou no começo, mas vi que é bastante natural, principalmente entre os torcedores americanos: na verdade não torcia para um time, mas sim pelo seu quarterback e com sua mudança para Denver a minha mudança de foco foi natural. Naquele mesmo ano já estava planejando uma viagem para os Estados Unidos com minha (agora) esposa, em que o Futebol Americano não era o objetivo, mas vocês sabem como é, dei um jeitinho e estiquei de um lado, puxei do outro e comprei ingressos para assistir Denver Broncos x Carolina Panthers. Aluguei um carro e “percorri milhas e milhas” de Orlando até Charlotte, 16 horas entre ida e volta e diferente da música dei sim minhas cochiladinhas!!! Não só vi uma vitória dos Broncos com uma atuação de gala de Manning, mas vi como os americanos tratam o esporte, uma rivalidade sadia, foi de chorar, ainda mais porque sei que minha geração não verá algo assim no Brasil.

Em meio as frustrações de 2012 (como não lembrar do arranha-céu narrado pelo Rômulo Mendonça?!) e da derrota no Super Bowl de 2013, quando vi o auge de um ataque e de um jogador sucumbir a uma defesa monstruosa. Foi nesse momento que com mais dois amigos decidimos criar o Entre Jardas! Depois desses quase 2 anos de muuuuuita dedicação, e agora com a contribuição dos nossos colaboradores, é bem bacana ver os resultados desse projeto, que a cada dia nos traz mais alegrias.

A temporada regular de 2014 e o desempenho já diferente de outros tempos nada contribuíram para mudar minha idéia de assistir ainda que pela última vez o #18 jogar! E decidi que seria em grande estilo, e assim foi. Comprei no começo do ano ingressos para o jogo de hoje contra os Patriots. As atuações apagadas de Manning e do ataque me fizeram ver que algo acontecia (além da idade que já pesa) e quis o destino que hoje eu não assistisse um Manning x Brady, mas sim um Brock x Brady, confesso a vocês que foi meio frustrante no início, mas com o tempo consegui me consolar e ao chegar na cidade e ver como eles respiram os Broncos, não há como não se animar e não ficar ansioso (além do fato de poder ver outro mito da minha geração – depois de ver Brady, ainda quero ver Rodgers, Brees e Big Ben)!!

Passa das 8 da manhã em Denver (1 da tarde aí no Brasil). Estou teminando de escrever, vou tomar um café, e enfim partir para o Mile High. Meu caminho até lá?! “Meu caminho só meu pai pode mudar“!!

Continua….

Posts Relacionados

Brady se consolida como MVP da temporada e Patriot... Tom Brady realmente veio com uma motivação diferente nesta temporada. Depois de ser penalizado pela liga e "manchar" sua carreira até então cristalina...
Aaron Rodgers revela “segredo” para lu... Nas últimas temporadas as críticas sobre o Green Bay Packers nos playoffs são duras e constantes. A defesa da equipe e o técnico Mike McCarthy sofrem ...
A marca de um campeão Semana passada, falei sobre como essa defesa dos Broncos busca uma identidade, algo que a defina como uma das maiores da história. Esse discurso foi m...
Ryan vs Brady: Confira os números deles nas finais... Parece que temos novos rivais na NFL, afinal, não é toda temporada que temos os dois maiores quarterbacks da temporada se enfrentando em um Super Bowl...
E então chegou o tão esperado 29-11 Na minha última coluna, escrevi um pouco sobre como me tornei fã, e depois junto com alguns amigos começamos a escrever sobre o esporte e como tudo is...
Tom Brady diz que está na hora de os Patriots acel... O New England Patriots começou a temporada 2017 abaixo do que se esperava, demonstrando problemas defensivos e irregularidade nos resultados. Nas últi...
Rafael Silva

Cofundador do Entre Jardas. Meio aviador, meio baixista e meio administrador (embora isso não dê 100%). A procura de um tratamento de alongamento da espinha dorsal para jogar pelo menos um snap como quarterback

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

 

Entre Jardas | Futebol Americano BR - 2014