Conheça os seis quarterbacks escolhidos antes de Brady no Draft 2000

Tom Brady fez na NFL é fácil, e claro, quem acompanha sabe que ele foi escolhido pelo New England Patriots apenas na 6° rodada do Draft 2000 (199° escolha geral). Mas você sabia que franquias que até hoje não acertaram em ter um quarterback franchise este século tiveram a chance de pega-lo? E se não pegaram ele, quem foram os seis quarterbacks escolhidos antes de Brady? É isso que nós do Entre Jardas vamos lhe contar agora: Chad Pennington, 18° escolha geral – New York Jets: a De todos Pennington foi uns dos que se saiu melhor. Depois de uma temporada em que levou o Jets ao título da divisão, sofreu uma lesão no ombro e quase teve que abandonar a carreira. Voltou melhor e foi eleito o “Comeback Player of the Year”. Se machucou novamente e voltou defendendo o Miami Dolphins, no último título de divisão da franquia. Encerrou a carreira em 2012 para se tornar comentarista na Fox Sports, e em seus 12 anos de NFL venceu 44 partidas das 81 que disputou, lançando para 17.823 jardas, 102 passes para touchdown e um rating de 90,1 pontos. O mais interessante na escolha dele é que o Jets primeiramente escolheu o Pro Bowl, Shaun Ellis, em sua 12° escolha de primeira rodada, fazendo trocas para conseguir elaborar Pennington. Escolha perdoável, afinal ele foi a única primeira escolha da posição no Draft 2000. Giovanni Carmazzi, 65° escolha geral – San Francisco 49ers: Giovanni Carmazzi #19 Antes de falarmos desta escolha precisamos falar uma coisa: Brady era fã do Niners e de Joe Montana. Seu sonho era jogar na franquia de San Francisco e exatamente no ano de sua elaboração Steve Young havia se aposentado. Enfim, a vaga estava livre, mas o Niners preferiu o forte e rápido Carmazzi, que chamava a atenção por suas corridas. O que aconteceu a seguir e que eliminou Carmazzi do roster daquela temporada foi uma partida de pré-temporada justamente contra o Patriots e Brady, que comandou a vitória do Patriots por 20 a 0. Carmazzi nunca mais teve outra chance devido a partida trágica. Seu despreparo ficou evidente nas partidas da pré-temporada e nunca jogou uma partida oficial. Hoje mora em uma fazenda a 2 km de San Francisco onde cria algumas cabras.

Leia também -   Falcons paga US$ 69 milhões para cornerback
Chris Redman, 75° escolha geral – Baltimore Ravens: ac Redman teve uma carreira boa no College, principalmente em seu último ano, quando venceu o Johnny Unitas Golden Arm Award. Escolhido pelo Baltimore Ravens, em sua primeira temporada venceu o Super Bowl XXXV como reserva. Ficou mais três anos na equipe sendo um backup confiável e tendo algumas boas atuações. Depois do Ravens alguns camps com Patriots e Titans até assinar com uma equipe da Arena Football League, a Austin Wranglers. Mas o Atlanta Falcons resolveu busca-lo para ser seu backup, e com a equipe teve alguns momentos muito bons. Na temporada 2006-2007 conseguiu a titularidade nos últimos cinco jogos e venceu dois deles, tendo boas atuações e assinando um contrato de 2 anos. Depois ficou como reserva de Matt Ryan, que acabava de chegar na equipe, voltando a atuar como titular apenas em 2009, devido a uma lesão do titular. Ali deu passe quando faltavam segundos para o fim contra o Buccaneers, e conquistou a vitória. Na outra semana foi titular contra o Eagles e desta vez a equipe perdeu. Assinou outra extensão de dois anos, se aposentando em 2012. Deu 21 passes para touchdown nas 12 partias que atuou como titular na carreira. Tee Martin, 163° escolha geral – Pittsburgh Steelers: af Martin era reserva de Peyton Manning no College, e quando assumiu Tennessee seus números chamaram muito a atenção das equipes da NFL. Foi campeão nacional pelos Vols e teve alguns recordes colocados na NCAA, como conclusões seguidas em uma partida (24) e invencibilidade contra os rivais da conferência SEC. Porém como profissional nunca teve uma chance. dando apenas 16 passes em seus quatro anos como profissional Em três deles jogou pelo Steelers e no último ano foi para o Raiders. Depois de se aposentar da NFL iniciou vários programas de treinamento para quarterbacks até chegar à USC, onde hoje é treinador de wide receivers. Marc Bulger, 168° escolha geral – New Orleans Saints: Warner and Bulger talk Parece que os olheiros estavam enxergando mal neste draft, e o único Pro Bowl fora Tom Brady foi Bulger. Vindo da Universidade de West Virginia, só conseguiu se estabelecer quando chegou ao Rams, e com as contusões de Kurt Warner e de seu backup, Bulger teve a grande chance, e não decepcionou. Venceu as seis partidas que disputou na temporada, tomando a posição do duas vezes eleito MVP da liga e hoje comentarista. No ano seguinte teve sua melhor temporada, terminando com recorde de 12 vitórias em 15 jogos. Na temporada seguinte o reconhecimento e além da titularidade um contrato de 20 milhões de dólares. Levou a equipe aos playoffs e foi eleito pela primeira vez ao Pro Bowl. No ano seguinte se lesionou jogando muito pouco, e na temporada a seguir (2006) se tornou o quarterback a completar mil passes em menor margem de tempo (45 partidas) na história da liga. Isso lhe rendeu uma extensão de seis anos e um contrato de U$ 62,5 milhões, que o colocou entre os mais bem pagos da NFL. Porém sofreu várias contusões que atrapalharam sua sequência com a equipe. No ano de 2008 seu treinador mudou, e ele ficou algum tempo como reserva, retornando ao final da temporada. Suas atuações oscilavam juntamente com a qualidade da equipe, e no início de 2010 ele pediu dispensa do Rams, assinando com o Baltimore Ravens, Lá jogou sua última temporada como reserva de Joe Flacco, antes de anunciar sua aposentadoria aos 34 anos, mesmo com algumas franquias querendo contrata-lo. Em 95 partidas ele jogou para 22.814 jardas, 122 passes para touchdowns e um rating de 84,4 pontos. Atualmente presta consultoria para equipes.
Leia também -   "Blitz For Six": Patriots inicia campanha pelo sexto título
Spergon Wynn, 183° escolha geral – Cleveland Browns: Wynn Spergon #13 Wynn não deu muita sorte na carreira profissional, mas era bom no College. Escolhido pelo Cleveland Browns, entrou para jogar logo em sua primeira temporada com a contusão do titular, e sofreu bastante. Em sete jogos pelo Browns ele não conseguiu nenhum passe para touchdown e acabou a temporada com míseros 40 pontos de rating. Foi enviado para a NFL Europa para desenvolver seu jogo e voltou na outra temporada para atuar pelo Minnesota Vikings. Ficou por dois anos como terceiro reserva até ter a oportunidade de jogar duas partidas, uma como titular, e foi nela que ele deu seu único passe para touchdown na NFL, em cima do rival Packers. Depois foi atleta do BC Lions, Winnipeg Blue Bombers e Toronto Argonauts, todos da CFLCanadian Football League. Aposentado do esporte, hoje Wynn trabalha como corretor de energia na Amerex, no Texas. Por isso é tão importante uma boa escolha no draft. Alguns atletas que não são considerados importantes viram mitos, e alguns que são considerados mitos viram busters. Então o que será que vamos encontrar no próximo draft, um Tom Brady em uma sexta rodada ou um Ryan Leaf no top 5? Só acompanhando no Entre Jardas para saber.]]>

Deixe seu comentário

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.