Rodgers desabafa após “calúnias” do Bleacher Report

Quem conhece um pouco do jornalismo da terra do “Tio Sam”, sabe que o Bleacher Report já foi acusado por diversos atletas de diferentes esportes de propagar mentiras. Utilizando da prática de não divulgar fontes, garantida pelo jornalismo, algumas matérias foram amplamente criticadas até pela própria mídia dos Estados Unidos.

E na semana passada um artigo apontava Aaron Rodgers como o grande responsável pela saída de Mike McCarthy da equipe. Segundo “fontes que pediram para não serem identificadas” e dois atletas com passagem bem curta pelo Packers, eles viviam uma guerra no vestiário.

O artigo falava que Rodgers odiava McCarthy desde que chegou ao Packers, pois sabia que ele havia sido um dos responsáveis por perpetuar sua escolha na primeira rodada, o que se tornou um drama para o atleta no início do Draft. Enfim, uma série de acusações – que você pode ler aqui – que revoltaram o quarterback da equipe de Green Bay.

E ele não esperou muito para dar a sua versão da história. Na verdade Rodgers foi a rádio ESPN Milwaukee na tarde de hoje, onde além de acusar o escritor do artigo de caluniador e aproveitador, usou o espaço para contar sua versão da história, uma vez que McCarty já havia ido à ESPN desmentir o mesmo uma semana antes.

“Este foi um ataque difamatório de um escritor que pretendia crescer na carreira conversando com jogadores irrelevantes e sem citar fontes, apenas tentando agitar coisas antigas”, disse Rodgers. “O que acontece é que o pessoal da mídia está cansado de falar sobre isso. Isso só enfatizou a opinião deles sobre mim. Então a coisa mais louca é que há opiniões super-tendenciosas nessa matéria inseridas como fatos, além de fatos que são mentiras e calúnias.” 

Rodgers também se ofendeu com a argumentação de que a franquia estava ressentida de que ele não poderia mais ser um bom líder, devido principalmente a atitudes que ele tinha no vestiário. Na matéria chegam a citar uma “fonte” acusando Rodges de ser “tóxico” para a equipe.

Leia também -   Análise: O que muda com a volta de Colin Kaepernick

“Quero dizer duas coisas: uma, se soubessem disso, por que me ofereceriam um contrato no ano passado?”, indagou Rodgers na rádio. “E dois, o que entra em meu segundo ponto central de tese que vou derrubar, é que se eu realmente não gostava tanto de Mike, por que eu iria assinar novamente sabendo que se eu jogar bem e fizermos o que fazemos por aqui – fizemos os playoffs por oito anos seguidos e depois me machuquei e perdemos os playoffs – será Mike e eu toda a minha carreira? Então, se eu realmente não gostasse dele, você acha que eu voltaria a assinar? O dinheiro é tão importante para mim? Eu vou te dizer que não é. A qualidade de vida é importante.”

A relação de Rodgers e McCarthy lembra um pouco o que acontece com Bill Belichick e Tom Brady. Dois líderes que obtêm resultados significativos e causam interesse da imprensa em repercutir o assunto. O grande problema é que nesta matéria em especial, os rumores são colocados como fatos. E isso incomodou muito o quarterback da franquia.

“A beleza em nosso relacionamento era que ele crescia ano após ano e aprendemos a nos comunicar um com o outro”, disse Rodgers. “A beleza em nosso relacionamento no campo era que havia uma tonelada de confiança. Quando eu lia coisas como ‘eu o desrespeitava mudando todas essas jogadas’, eu ficava revoltado, pois era mentira. Ele sabia disso e eu sabia disso. Muitas vezes ele mandava duas jogadas para eu escolher uma. ‘Ei, você gosta disso ou daquilo?’ Foi isso que cresceu, o nível de confiança foi muito alto, sei que isso pode dificultar a vida de quem joga quando estou indo para um período de no huddle ou eu em um minuto final, mas essa é a confiança que tivemos e é por isso que eu gostei de jogar com ele por tantos anos.”

“Eu amo Mike McCarthy. Ele é um grande homem. Ele tem um coração enorme. Ele realmente se preocupa com seus jogadores, e ele mostrou isso para nós. No que diz respeito a um treinador, são apenas dois machos alfa que são hipercompetitivos e adoram ganhar, e ambos são um pouco teimosos, mas, novamente, falamos sobre tantas questões diferentes ao longo dos anos e isso nos fez muito mais fortes.”

Por fim, Rodgers fez um pedido especial aos fãs do Packers: que parem de falar mal de McCarthy. As críticas direcionadas pela imprensa trouxeram um grau de indignação com o treinador que não é compatível ao que ele fez pela franquia, então o quarterback pediu mais que respeito ao seu comandante por treze anos.

Leia também -   Os melhores movimentos da Free Agency em 2018

“Tivemos uma caminho infernal”, disse Rodgers. “Tivemos 13 anos, quatro campeonatos da NFC, um Super Bowl, oito playoffs consecutivos, 19 vitórias consecutivas. Então, em vez de falar mal desse cara na saída, vamos nos lembrar dos momentos incríveis que tivemos juntos. Você fã do Packers, lembre-se disso, especialmente aqueles que moram em Green Bay: Mike mora aqui, Mike tem filhos pequenos aqui, então Mike tem que estar aqui, pense em como é difícil para ele. Um favor que eu pediria a você, fortemente, é se você ver Mike, aperte sua mão diga-lhe obrigado pelas memórias. Diga-lhe obrigado pelo trabalho de treinador que ele fez. Diga-lhe o quanto você gosta dele sendo parte do que nós construímos aqui.”

“As coisas mudam de 2006 para 2018. Nós saímos de uma temporada ruim em 2005, construímos algo especial e tivemos sucesso, então em vez de destruir esse cara na saída – o ano passado foi difícil, sem dúvida – vamos honrá-lo e ao seu legado como o segundo maior ganhador da história da Packers. Se você o vir, por favor, mostre a ele o respeito que ele merece, ele não só tem que morar em Green Bay, ele quer morar aqui. Ele adora isso aqui. Ele vai estar aqui. Então, se você vê-lo, faça-o a favor e mostre a ele o respeito que ele merece.”

Enfim, uma mentira que desencadeou a verdade por trás de treze anos de relacionamento. Ainda mais quando vêm acompanhado de um desabafo de todos os fãs do Packers que tem a memória seletiva e focada nas últimas duas ou três temporadas.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br

Leia também -   Stafford desmente boatos de troca

Deixe seu comentário

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.