HC do Jets desmente crise com GM

Adam Gase desmentiu que sua relação com o gerente geral Mike Maccagnan exista. Depois de muitos jornais de New York especularem a respeito da crise institucional, o treinador aproveitou sua primeira entrevista para desmentir o assunto.

“Eu não sei quem decide colocar essas coisas nos jornais”, disse Gase na sexta-feira, no início dos treinos dos calouros. “Isso meio que me irrita um pouco, porque nós temos discussões sobre tudo. Esse é o nosso trabalho. Nós temos que trabalhar com tanta coisa. É o que temos que fazer. Isso é tudo que fizemos desde que estivemos aqui. Desde que começamos, estamos constantemente em comunicação. Se eu vou ao escritório dele muitas vezes ou ele vem ao meu, é porque estamos tentando nos certificar de que estamos na mesma rota o tempo todo.”

Os relatos das diferenças entre o novo treinador do Jets e seu GM começaram pouco após sua contratação. Enquanto montava sua equipe, Gase foi obrigado a receber Gregg Williams e Joe Vitt, contratados por Mike Maccagnan. Os dois estavam envolvidos no bountygate, escândalo que aconteceu no New Orleans Saints. Os dois tem problemas particulares, uma vez que Vitt foi o delator de Williams no esquema.

Gregg Williams pediu para que seu filho, que o acompanha nas franquias que trabalha fosse contratado como treinador de alguma posição na equipe. Gase não aceitou, no entanto, Maccagnan passou por cima do treinador e contratou o filho do coordenador defensivo. Ali começava a crise.

E ela ficou mais forte durante a agência livre. Diversas discussões aconteceram pelos dois não concordarem com os contratados. O Jets gastou quase U$ 112 milhões garantidos de seu salary cap, o que o treinador não queria. Contudo, por estar na “berlinda”, Maccagnan teve que fazer movimentos ousados para trazer CJ Mosley e Le’Veon Bell, garantindo seu emprego.

Leia também -   Saiba como assistir o Brasil Bowl IX

No Draft a crise aumentou, uma vez que ambos discordavam de várias escolhas da equipe. Segundo fontes relataram à ESPN Americana, o treinador buscou o CEO Chris Johnson para reclamar e garantir as escolhas que desejava. Isso foi a “gota d’água” na relação e muitos afirmam que Maccagnan ficou muito próximo de ser demitido.

Porém, os ânimos se acalmaram de lá para cá. E Gase garantiu que sua relação com o gerente geral é boa: “Sim, estamos bem e trabalhando em prol do Jets. Se todos concordassem em tudo, seria chato. Precisamos ter um pouco de emoção de vez em quando.”

O Jets contratou Adam Gase para substituir Todd BowlesMaccagnan e Gase não tinham relações de trabalho anteriores, embora Maccagnan tenha participado do processo de contratação. O próximo capítulo dessa história deve ser quando começarem os cortes. Por contrato, Maccagnan tem o poder de escolher os 53 atletas. Gase tinha este poder quando era treinador do Miami Dolphins

Deixe seu comentário

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.