Opinião: vaiar Luck mostra egoísmo descabido dos fãs

“Antigamente poderíamos dizer que apenas os “cristãos” questionavam a teoria de Charles Darwin. Porém, hoje em dia, talvez o próprio Darwin questionasse a “evolução dos seres pela seleção natural”. E isso tem um motivo: os seres humanos estão involuindo.” 

Esta célebre frase se aplica a alguns fãs do Indianapolis Colts ao fim da partida do último sábado, dia 24. Descobrindo via um tweet de Adam Schefter que seu quarterback Andrew Luck iria se aposentar, estes “torcedores” ficaram tão indignados com o decréscimo de resultados de seu time de futebol terá este ano que vaiaram o atleta que estava ali dando alegrias desde 2012.

Alguns tentarão defender, afinal, como o título sugere, o egoísmo é a principal característica do ser humano hoje em dia. E isso fica claro quando falamos de um esporte e não de algo mais importante, como sua saúde por exemplo. Ou melhor, a saúde de outra pessoa. Ser egoísta, ok. Mas não ter um pingo de empatia é muito preocupante.

Andrew Luck foi a primeira escolha geral do Draft 2012 e por três anos seguidos levou a equipe aos playoffs. Sofria desde seu segundo ano com a má composição de elenco, principalmente de sua linha ofensiva, que era para garantir que ele não fosse tocado pela defesa adversária.

Mesmo assim ele estava lá, vencendo jogos para a franquia e para este torcedor que o vaiou. Na semana 3 da temporada de 2015, ele sofreu uma lesão no ombro e dali em diante seu jogo não foi mais o mesmo. Perdeu nove partidas naquela temporada e mesmo lesionado foi por 15 vezes a campo em 2016.

Sabe quantas vezes ele sofreu sacks naquela temporada? Quarenta e uma. Isso mesmo, lesionado sofreu 41 sacks. Mesmo assim esteve em campo, venceu oito dos quinze jogos jogando para 4.240 jardas e 31 touchdowns. Perdeu toda a temporada de 2017 devido ao agravamento de suas lesões.

Leia também -   Declaração de CEO põe cargo de Joseph em risco

“Ainn, mas ele ganhou U$ 100 milhões na carreira. Eu não consigo ficar com pena de quem ganhou todo este dinheiro em sete anos”. Ok, mas seu argumento é vazio e EGOÍSTA. Primeiro que ele poderia ganhar no mínimo mais U$ 100 milhões nos próximos cinco anos se continuasse jogando.

E quando digo jogando, não estou falando das primeiras três temporadas dele, que juntas combinaram quase 13 mil jardas e 86 touchdowns só na temporada regular, que lhe renderam este salário incrível. Mas estamos falando dele ganhar no mínimo U$ 70 milhões garantidos e ficar no IR para o resto da vida. Ele não quis terminar sua carreira assim.

“Ainn, mas ele poderia ter falado isso antes do Draft, para a equipe pegar um substituto…”. Ele decidiu isso no início da semana passada! Não seja egoísta! Ele só tocou em frente sua decisão depois de conversar e receber o ok do proprietário da franquia, Jim Irsay.

Ele não queria abandonar a equipe e deixar o torcedor na mão. Decidiu isso após novos exames mostrarem uma lesão difícil que afetava a panturrilha e o tornozelo. Ele não tinha mais mobilidade no pocket, até por isso o treinador Frank Reich havia o afastado dos treinos.

Você lembra tudo que ele passou desde 2015? Se você é realmente um torcedor do Colts deve lembrar. Ele ficou uma temporada afastado rodando o mundo atrás de um tratamento efetivo, para poder voltar à campo e defender a franquia que você torce! Ele já havia conseguido os U$ 100 milhões, não precisava se sacrificar. Mas mesmo assim o fez.

E não só o fez, como voltou melhor e – mesmo sentindo dores no ombro todo o santo dia – foi á campo e levou o Colts a uma segunda rodada de playoffs, jogando para quase 5.100 jardas e 41 touchdonws no ano. Ele recebeu o prêmio de NFL Comeback Player of The Year e alguns votos como MVP da temporada.

Leia também -   Caso da suspensão de Ezekiel Elliott ganha novo capítulo

Mesmo assim você ainda acha justo criticá-lo, acha correto defender os torcedores o vaiarem por, pela primeira vez desde 2012, colocar sua saúde na frente das vitórias que sua equipe poderia conquistar. De deixar o caminho aberto para que outro possa ser o diferencial na equipe, uma vez que ele estava LESIONADO. Ele não iria jogar por pelo menos oito jogos este ano.

Enfim, Andrew Luck foi um atleta espetacular que teve que deixar os gramados por PROBLEMAS DE SAÚDE! E muita gente não entende. Na verdade entendem, mas como o egoísmo é um sentimento cada vez mais crescente nos seres humanos, estas pessoas preferem pensar no resultado da equipe.

E simplesmente ignoram o fato de que um quarterback que jogou para 26.761 jardas e 171 touchdowns pelo Colts não tem mais condições de ser atleta. Andrew Luck merecia uma estátua pelo que fez pelo Colts, mas pela lógica egoísta de alguns fãs, foi merecedor de vaias.

Triste…

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br.

Deixe seu comentário

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.