O desespero de Bill O’Brien põe o futuro do Texans em risco

O Houston Texans vem fazendo grandes campanhas nos últimos anos sob o comando de Bill O’Brien. Em cinco temporadas foram três aparições nos playoffs, três títulos de divisão e uma campanha de 41 vitórias e 38 derrotas.

Em cinco temporadas apenas uma vez ele terminou com campanha negativa, em 2017, quando o Texans perdeu Deshaun Watson na semana 4 e JJ Watt também ficou de fora.

A equipe estava muito bem formada. Tem um quarterback que vem evoluindo, DeAndre Hopkins como seu principal recebedor, Lamar Miller correndo e uma defesa dominante que até pouco contava com Jadeveon Clowney e JJ Watt.

Pois bem, como contamos aqui, depois de Clowney não aceitar as propostas da equipe para renovar o contrato, acabou sendo trocado com o Seattle Seahawks. Vieram dois jogadores que farão parte da rotação e a escolha de terceira rodada de 2020 não parece ser tão insignificante assim.

Contudo, parecendo que queria demonstrar que a equipe não apenas “perdeu”, o Texans no mesmo dia foi ao mercado para dar uma satisfação a sua torcido. E aí que entra Bill O’Brien, e vamos explicar o porquê.

Em 2017, depois de três temporadas e dois títulos de divisão, o treinador foi à cúpula da equipe pedir para se tornar o responsável pelos jogadores e pela lista de atletas. São poucos na NFL que têm este poder. Na conversa, O’Brien citou o trabalho de Bill Belichick no New England Patriots.

O pedido foi negado e o que se viu em 2017 foi uma briga interna feroz entre ele e Rick Smith, gerente geral na época. O 4-12 ao fim da temporada dez com que Smith se afastasse, alegando um problema de saúde na família.

Leia também -   Patriots e Browns acertam negociação de linebacker

Novamente O’Brien não recebeu o poder que queria, sendo ordenado a apenas manter resultados dentro de campo afim de manter seu emprego. Foi isso que ele fez em 2018, sempre de olho no poder de comandar a lista dos 53 escolhidos para a temporada e suas negociações.

Veio a demissão de Brian Gaine (gerente geral) em junho e o Texans decidiu montar um comitê para tocar o futebol da equipe. Trouxe Jack Easterby do Patriots e deixou a última palavra sobre trocas e negociações com O’Brien. Culminando com a “tragédia” deste fim de semana.

Depois de trocar – por um preço considerado baixo – Jadeveon Clowney, O’Brien foi até o Dolphins para fazer um movimento de equilíbrio no elenco. Perdeu um defensor, porém, como Deshaun Watson precisa de mais alvos, ele foi atrás de um recebedor, Também buscou um jogador de linha ofensiva.

Asim ao final do dia de hoje fontes anunciaram que o Texans estava trazendo do Miami Dolphins os atletas Laremy Tunsil e Kenny Stills. Tunsil é um excelente left tackle e Stills vai agregar muito no jogo aéreo da equipe.

Até aí tudo bem, um motivo para comemoração dos fãs da equipe texana. Entretanto, quando foi anunciado o que o Texans deu em troca surgiu um desespero entre os torcedores. A equipe deu suas escolhas de primeira rodada do Draft 2020 e 2021, a escolha de segunda rodada de 2021 e ainda mais dois atletas (Julie’n Davenport e Johnson Bademosi) para o Dolphins.

Assim, O’Brien e o Texans praticamente entregam o futuro da equipe nos próximos anos. O valor passa totalmente do que Tunsil e Stills valem no momento. Se ar Clowney por uma escolha de terceira rodada foi barato, o que dizer então desta outra negociação.

Leia também -   Wentz vence segunda na NFL e anima fãs

A mídia americana está avaliando os movimentos da seguinte maneira: o Seahawks “roubou” o Texans com a troca de Clowney e a equipe ainda jogou fora três de suas quatro escolhas mais altas dos próximos dois anos.

O que resta agora para O’Brien é fazer uma temporada perfeita e finalmente confirmar nos playoffs. Este movimento é o famoso “ganhe agora”, então se não chegar ao Super Bowl este ano, provavelmente a equipe sofra bastante nas próximas temporadas.

Quer comprar produtos originais da NFL no Brasil? Acesse www.firstdown.com.br.

Deixe seu comentário

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.